Eu vou ser breve pois estou super-cansado. Estou como médico voluntário da Cruz Vermelha, desde domingo. Nesta segunda, funcionários da prefeitura de Teresópolis nos expulsaram do galpão cedido por um empresário onde estávamos trabalhando. Vieram funcionários e guardas armados de fuzis. Foi uma cena surrealista. Eu estava preparando um kit médico para atendimento em campo quando um guarda com fuzil ordenou que saíssemos do local. Puseram todos nós pra fora, entrou um caminhão do exército, e em seguida alguns guardas armados começaram a pegar todos os donativos da Cruz Vermelha e colocaram nos caminhões. Ficamos do lado de fora, sem poder ver nada pois guardas ficaram montando guarda do lado de fora armados com fuzis. Liguei para um amigo influente, que ligou por sua vez para repórteres da rede globo. O repórter pediu que registrássemos fotograficamente o ocorrido. Quando o repórter chegou, ele pode filmar o tumulto em andamento. Fui entrevistado, e a matéria foi publicado no Jornal O Globo mas sem as fotos. O Estadão de São Paulo também divulgou uma matéria sobre o absurdo ocorrido. Entreguei o chip da máquina fotográfica mas não sei porque as imagens não foram divulgadas. Vi inúmeros comentários inclusive de um Lewandovsky (Anthonio: já imagino quem seja, enviei a foto dele ao Martius e estou aguardo a confirmação) ou coisa assim dizendo que eu era um lunático com CRM e que devia ter fumado maconha.

Inúmeras pessoas, a maior parte petistas doentes, acusaram a mim e a todos da Cruz Vermelha de mentirosos. Todos, repito todos os donativos, remédios, água, tudo foi confiscado pela prefeitura. A igreja católica que também foi boicotada pela prefeitura evangélica de Teresópolis nos cedeu o espaço da igreja para nos reorganizarmos e como formiguinhas rapidamente montamos um novo posto com as toneladas de donativos de São Paulo que haviam acabado de chegar!! Bendita São Paulo, que com sua carga de donativos, permitiu que voltássemos a operar quase imediatamente apesar de termos sido expulsos do local original. Muitos voluntários debandaram no meio da confusão. Hoje de tarde só tinha eu de médico na Cruz Vermelha, resultado da revolta dos médicos com o tratamento absurdo que receberam hoje de manhã e ontem, domingo, quando tiveram que interromper seu trabalho abruptamente em postos avançados, por funcionários da prefeitura. Hoje de tarde só tinha eu de médico, pois engoli a revolta e me concentrei em ajudar quem precisava.

Amanhã terça-feira me pediram para ficar lá pois não haviam conseguido nenhum médico voluntário na Cruz Vermelha. A cidade do Rio de Janeiro é a segunda maior do Brasil, há milhares de médicos mas nenhum voluntário durante toda esta segunda-feira. Juro que não consigo entender o que está acontecendo?. tantas pessoas desabrigadas, isoladas, precisando de ajuda?. Os principais atendimentos médicos consistem em fazer triagem dos pacientes que necessitam de remoção com internação em hospitais de campanha, estabilização hemodinâmica de feridos, imobilização de traumas, compensação de parâmetros fisiológicos em pacientes com insuficiência cardíaca, diabetes e hipertensão, tratamento de infecções respiratórias e gastrintestinais agudas, rehidratação, e assistência aos que estão em estado de choque.

É indiscutível que muito já tem sido feito mas agora é que a coisa está pegando pois as pessoas estão começando a ficar doentes devido as condições insalubres dos desalojados e desabrigados. Peço que leia a matéria no globo e no estadão que lá está tudo mais ou menos bem explicado. E tudo é verdade? Mas tem gente que tá achando que tudo não passa de um factóide?.. De voluntários médicos?. nada??. em menos de uma semana os voluntários sumiram?.

Martius de Oliveira

Treta com o governo mundial 11/9 brasileiro (11/01/2011)

Banco Mundial anuncia crédito de R$ 811 mi para ações pós-desastre no Rio

O Banco Mundial anunciou nesta terça-feira uma linha de crédito de US$ 485 milhões(aproximadamente R$ 811 milhões) para programas voltados a atender as vítimas das fortes chuvas que já deixaram mais de 700 mortos na Região Serrana do Rio de Janeiro, informou a instituição.

Em comunicado, o organismo internacional indicou que após uma reunião entre o vice-presidente da entidade, Otaviano Canuto, e a presidente brasileira, Dilma Rousseff, o Banco Mundial anunciou o empréstimo destinado aos programas de habitação e prevenção de desastres naturais.

Participaram da reunião outros diretores do organismo e vários ministros do Governo brasileiro e ficou determinado que a linha de crédito ?está em fase final para sua aprovação, sem contrapartida?.

?Esperamos que a primeira entrega do empréstimo, de US$ 290 milhões, possa ser aprovada nas próximas semanas?, assinalou o diretor do Banco Mundial no Brasil, Makhtar Diop, que antecipou a liberação de outros US$ 38,7 milhões para programas junto ao Governo do Rio de Janeiro.

Diop indicou ainda que, além do crédito anunciado e dos convênios existentes com o Governo estadual, a entidade estuda outro empréstimo, de US$ 30 milhões, destinado à assistência técnica de prevenção de desastres no Rio de Janeiro.

Com o Governo federal, será reestruturado o programa ?Interáguas?, que receberá recursos do organismo no valor de US$ 97 milhões e terá foco no atendimento de desastres.

Dilma, segundo a estatal ?Agência Brasil?, pediu à instituição que ?a análise do empréstimo, que já estava em andamento antes do desastre, seja feita de forma rápida pelo banco?.

Estão usando o HAARP como arma para forçar as nações a pedir empréstimos para remediar os danos provocados, manter a população endividada pagando juros absurdos e engordando os cofres dos banqueiros.
É assim que os Rockefeller, Rothschild e demais capos da máfia engordam suas contas.
Moradores sentem a terra tremer em Friburgo

Tremor e raios teriam atingido o distrito de Boa Esperança

Moradores do distrito de Boa Esperança, em Nova Friburgo, na região serrana do Estado do Rio de Janeiro, relatam que na noite de terça-feira (11) a terra tremeu e uma chuva de raios, atingido a região.

A consultora de projetos, Melissa de Almeida esteve no local na quarta-feira (12) e na quinta (13). Ela estranhou a falta de repercussão do fato.

- Eu ouvi vários relatos de que as casas tremiam e de que as janelas balançavam.

Ainda de acordo com Melissa, os moradores contam que muitos raios atingiram a região, que fica há cerca de 40 km de Nova Friburgo.

- Eles dizem que era como se estourassem bombinhas de festa junina no chão das casas. Falam que ouviram muitos estalos dentro das residências.

O acesso ao local está comprometido, pois na principal estrada, de Muri, caíram duas barreiras, na altura de Vargem Alta.

- Eles estão todos ilhados e sem luz. Os alimentos estão estragando e as escolas estão doando carne. Para colocar combustível, as pessoas precisam ir até Casimiro de Abreu.

As únicas informações que chegam são pela TV de um morador, onde no sítio há um gerador.

- Parece como quando lançaram a televisão. Todos do distrito ficam em volta de um único televisor. A cena é impressionante.

O chefe do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília, Lucas Vieira Barros, disse que nada foi detectado pelos radares.

- Nós não registramos porque o radar mais próximo fica a 1.000 km de distância.

Para o especialista, a hipótese de os tremores serem consequência dos deslizamentos de terra no município, está descartada.

- Um estrondo relacionado com as rupturas do desmoronamento seria possível se esses moradores estivessem próximos. Se tantos moradores relatam o mesmo fato, pode ser o caso de um tremor localizado nesse distrito.

Tragédia das chuvas

O forte temporal que atingiu o Estado do Rio de Janeiro na terça-feira (11) deixou centenas de mortos e
milhares de sobreviventes desabrigados e desalojados, principalmente na região serrana.

As cidades de Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto foram as mais afetadas. Serviços como água, luz e telefone foram interrompidos, estradas foram interditadas, pontes caíram e bairros ficaram isolados. Equipes de resgates ainda enfrentam dificuldades para chegar a alguns locais.

O governo federal, o Estado e as prefeituras se mobilizam para liberar verbas. Empresas públicas e privadas, além de ONGs (Organizações Não Governamentais), recebem doações.

Os corpos identificados e liberados pelo IML (Instituto Médico Legal) começaram a ser enterrados quinta-feira (13).
Hospitais estão lotados de feridos. Médicos apelam por doação de sangue e remédios. Os próximos dias prometem
ser de muito trabalho e expectativa pelo resgate

de mais sobreviventes.

//atualização

Houve hoje uma reunião a portas fechadas já no final desta noite com um membro muito importante da Cruz Vermelha Brasileira (CVB) cujo nome não vou revelar. Ele já trabalha há mais de trinta e três anos em todos os tipos de catástrofes em todas as partes do mundo incluindo a guerra da Bósnia, o terremoto do Haiti, etc. É ele que coordena as atividades da CVB brasileira nestes locais e também da CVB internacional. Para vocês terem uma idéia, ele havia voltado de uma extenuante viagem de 22 horas desde a Rodésia só para estar ali conosco e avaliar a situação na região serrana. Ele disse que nós não tínhamos noção da catástrofe que havia ocorrido:

?Vocês nunca tiveram oportunidade de testemunhar catástrofes mundiais e por isso é natural que sejam incapazes de avaliar a extensão dos danos aqui ocorridos. Devido a décadas de experiência de campo e de levantamento de áreas de desastre, posso seguramente, afirmar que somente aqui no município de Teresópolis o número de mortos soterrados de longe ultrapassa a casa dos 6.000. Na região serrana ao todo o número de mortos deve facilmente chegar a mais de 12.000 pessoas.

No Brasil, vocês nunca lidaram com catástrofes naturais de grandes dimensões, daí a falta de preparo e de noção do que realmente se passa. Pelo quadro vigente no Haiti, vocês podem contabilizar as milhares de pessoas que já morreram de febre tifóide. Não importa se sejam os brancos loiros de olhos azuis da Bósnia-Herzegovina ou os negros suados do Haiti ou os habitantes de Teresópolis. Todos os corpos que necropsio fedem e estão imundos. Morto não tem raça, ou status social. Todos os corpos apodrecem e se decompõem. São mais de 6.000 corpos nos leitos dos rios, nos mananciais e nas suas margens, enterrados a vários metros de profundidade.

Haverá inúmeras epidemias daqui há algumas semanas surgindo primeiramente de forma discreta e depois se alastrando pelas cidades supridas por essas águas. A falta de experiência do Brasil e dos brasileiros em termos de dimensões de catástrofes levam a estas estimativas ingênuas do que realmente aconteceu. Em qualquer outro país civilizado, o procedimento correto seria o de declarar lei marcial e exigir intervenção federal nesta situação. A própria viabilidade e existência destas cidades será posta à prova nos meses que virão na medida em que a população começar a adoecer.

Quanto ao prefeito da cidade, ele é um bandido, um crápula, que precisa ser acionado judicialmente, preso e condenado por crime contra a humanidade. Há dezenas de equipes especiais de resgate aqui conosco como as de Santa Catarina, Santos e São Paulo e a prefeitura se recusa a usar os seus profissionais para as missões de resgate.

A CVB é um órgão de assistência emergencial e vocês já passaram da fase de emergência e estão exercendo um papel assistencial. Isto não é de competência da CVB. O prefeito de Teresópolis desacatou a CVB e por conta disso, ao desacatar a autoridade da CVB cometeu um ato infracional. O seu prefeito deve ser preso por crime contra a humanidade. Muitas pessoas ainda irão morrer nos próximos meses devido as doenças que irão se disseminar.

Entendam que a CVB está sendo utilizada como manobra política e a isso não nos subteremos. Estou declarando que a partir de hoje se dão por encerradas as atividades da Cruz Vermelha em Teresópolis. Todos os mantimentos, água e remédios deverão ser doados à população carente desde que comprovem a baixa renda. Não tenham tanta certeza de que o acidente de helicóptero que acometeu o chefe da CVB de Teresópolis tenha sido um mero acidente. Não podemos ter garantia de nada. Portanto declaro encerrado as atividades da CVB de Teresópolis a partir de agora. Sabemos do espírito altruísta de todos os senhores mas como dizemos no meio militar ? ?Excesso de vibração mata?. Peço que interrompam as suas atividades a partir de hoje pois dezenas de órgãos governamentais por trás de vocês estão ganhando verbas assistencias de milhões de reais para não realizarem o trabalho que vocês estão fazendo voluntariamente de graça.

O prefeito desta cidade deve receber prisão ciivl por ato infracional e será apenas uma questão de poucos meses para que as cidades das regiões serranas se tornem regiões doentes caso não seja coordenado um esforço conjunto sério para a remoção destes milhares de cadáveres se decompondo nos rios que suprem estas cidades?.
Sudeste terá tempestades ainda mais intensas

Jamil Chade ? O Estado de S.Paulo

Cientistas da Organização Meteorológica Mundial (OMM) alertam que os governos do Brasil e, principalmente, dos Estados do Sudeste devem se preparar para enfrentar eventos climáticos extremos nos próximos anos. ?Esse não foi um evento isolado (a devastação na região serrana do Rio). Os acontecimentos no Brasil confirmam uma tendência mundial de que tempestades tendem a ser cada vez mais fortes e em locais onde não ocorriam com a mesma força?, afirmou Rupakumar Kolli, especialista da OMM.

A entidade diz que ainda não pode confirmar se a intensidade das chuvas no Rio foi causada diretamente pelas mudanças climáticas que afetam o planeta, mas tudo indica que sim. ?É difícil dizer se as mudanças climáticas já atuam nesse caso?, afirmou o secretário-geral da OMM, Michel Jarraud. ?O que está claro é que vemos um aquecimento do planeta e um número cada vez maior de eventos climáticos extremos e o que aconteceu no Brasil vai nessa direção.?

?Governos precisam entender que esses fenômenos vão se repetir. Essa é a tendência que vemos em todo o mundo, com chuvas mais intensas em locais que não conheciam eventos tão drásticos?, ressaltou Kolli. ?O governo brasileiro precisa lidar com a vulnerabilidade de suas populações nas áreas de risco porque podemos dizer quase com certeza que novos eventos extremos vão ocorrer.?

Mas, se a OMM aponta que o número de mortos em eventos climáticos no mundo é cada vez menor, a tragédia no Rio vai na contramão desta tendência e está entre os dez deslizamentos com maior número de vítimas no mundo entre 1900 e 2011. A avaliação da entidade de meteorologia é que, em 2010, eventos climáticos extremos tiveram número relativamente baixo de mortos graças aos sistemas de alerta. Um exemplo é a enchente na Austrália, que fez poucas vítimas. No caso do Brasil a constatação é diferente. ?As enchentes foram excepcionais no Brasil. É um dos casos mais mortais da história do País?, disse Jarraud. Para ele, aprimorar sistemas de alerta contra desastres ?é um dos melhores investimentos que um governo pode fazer?.

A OMM lançou ontem um relatório no qual 2010 entrou para a história como o ano mais quente, igualando-se ao recorde de 1998. Segundo Jarraud, o ano também teve intensos fenômenos naturais, como o calor extremo na África, Groenlândia e Ásia, o frio intenso na Europa e Austrália. Em 2011, as enchentes no Brasil são mais um sinal dessa tendência, segundo a OMM. O organismo acredita que o La Niña não seja responsável pelo fenômeno. ?As informações não indicam que o volume significativo de chuvas seja resultado do La Niña. Esse fenômeno atinge o Nordeste do Brasil, não o Sudeste?, afirmou Kolli. La Niña é o resfriamento anormal da superfície do Oceano Pacífico.

?É cedo para dizer qual fenômeno foi responsável pelos problemas no Brasil. Não podemos atribuir diretamente ao La Niña, que pode até ter tido um papel indireto. Os cientistas terão uma confirmação nos próximos meses?, completou Jarraud.

 http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/?9057,0.php
Enviado por Thiago
Fala Anthonio, Thais e galera do MM:

Havia uma barragem no meio do caminho?

Aqui vai mais outra. Ontem de noite, um amigo de meu Pai, que nós chamamos carinhosamente de Pereira, natural daqui de Teresópolis e que trabalha como ouvidor da prefeitura, recebeu inúmeros relatos de que muitos habitantes só sobreviveram devido a um estrondo muito forte e de um tremor de terra moderado, forte o suficiente para acordá-las e fazer com que elas saíssem correndo de casa debaixo de um temporal com as roupas do corpo. Em muitos locais escutou-se um estrondo muito forte. Isso imediatamente me lembrou dos relatos de minha avó, que era japonesa e morava em uma área de intensa atividade sísmica. Ela sempre me falava dos animais domésticos que se agitavam e de segundos depois escutar um estrondo forte que começava logo antes da terra começar a tremer. Quanto às imagens de destruição pelas águas tão mostrada pela mídia em Teresópolis no bairro de Campo Grande, o que as pessoas ainda não sabem é que toda a água fornecida naquela região era paga a uma concessionária particular, a Parâmetro Empresa Imobiliária.

O bairro de Campo Grande é como uma bacia cortada por um pequeno rio e com casas que o margeiam em seus flancos até o alto das montanhas. Subindo ainda mais existem duas represas, uma da CEDAE e outra denominada represa do Inconha. A represa do Inconha é que pertence a Parâmetro Imobiliária. Esta represa em determinados pontos chega a ter 40m de profundidade pois ela se aproveita da topografia dos grotôes que vão se estreitando à medida que se chega próximo aos cumes. Lembro a todos que as montanhas são muito íngremes nesta região e que as altitudes nesta parte da serra dos órgãos chega a ultrapassar 2000 metros de altitude em vários pontos, o que dá ao fluxo de água uma tremenda energia potencial. O que ninguém ainda relatou é que esta represa do Inconha com milhares de toneladas de água se rompeu e ficou totalmente destruída. Esta represa ficava num local de difícil acesso já sem casas ou quaisquer habitações, por isso poucas pessoas tem conhecimento dela. A represa da CEDAE entretanto não rompeu.

Outrossim, dois geólogos especialistas vieram de Brasília ontem para levantar através da análise dos padrões de deslizamento, topografia do local, faixa de área atingida, etc a possibilidade de uma possível atividade sísmica estar implicada como um fator adjuvante junto às fortes chuvas na gênese dos deslizamentos. Há sim, relatos locais de que a chuva foi muito intensa como jamais havia sido testemunhado por alguns moradores. Portanto, acredito que tenha havido uma conjunção de fatores. Eu sei que existe uma área denominada hidrosismologia que estuda a relação entre abalos sísmicos e a preciptação de chuvas intensas nos dias anteriores. Mas observem bem, até a catástrofe, Teresópolis vinha registrando nos dias e semanas anteriores um regime de chuvas absolutamente normal para época, talvez um pouco acima da média, mas nada que justificasse atividade hidrosísmica. Outros também podem argumentar que o estrondo seria causado pelas pedras rolando dos locais de deslizamento. Se isso fosse de fato o que aconteceu a velocidade dos acontecimentos seria tão alta que as pessoas teriam somente alguns segundos para escapar pois a chuva pesada e a mata densa amortecem muito o som, além do fato das pessoas estarem dormindo. Por mais que uma pedra de 20 toneladas rolasse de um penhasco, isso não justifica o tremor moderado que as pessoas sentiram em diversos pontos da região afastados mesmo dos locais de deslizamento.

Devo destacar também que muitas pessoas sentiram pequenos tremores nos dias que antecederam ao grande evento. Outra coisa que diversas pessoas me relataram foi a quantidade espantosa de relâmpagos que ocorreram mesmo antes da tempestade se intensificar. Curioso, decidi pesquisar alguma relação entre relâmpagos e atividades sísmicas e pelo que entendi, pequenos abalos sísmicos contínuos em uma região geram pulsos de energia eletromagnética que ionizam a atmosfera em suas camadas mais altas e que estavam pensando em utilizar este efeito de ionização para prever terremotos*. Lembram que no Chile e no Peru diversos relâmpagos apareceram antes, durante e após os abalos sísmicos? Podem verificar isso na Internet.

Uma coisa é certa, chuva não rompe represa com estruturas firmemente apoiadas em rocha cristalina. Fiquei muito, mas muito impressionado com a avaliação contundente, profundamente segura e objetiva deste grande especialista da Cruz Vermelha em catástrofes e sobre as reais dimensões que ele nos ofereceu do que realmente aconteceu. Seu filho era também resgatista da Cruz Vermelha, tinha 20 anos de idade e morreu no ano passado em uma missão de resgate no exterior. Foi ele mesmo quem achou o corpo do filho boiando no mar cinco dias depois, e foi ele mesmo quem teve que necropsiar o seu filho para ter certeza de que o corpo era mesmo dele. Ele chorou muito ao nos relatar o ocorrido e todos nós também choramos e ficamos muito comovidos. Ele falou que era um crime humanitário e sanitário não retirarmos os corpos das pessoas soterradas, pois para cada pessoa que morre e não é mais encontrada debaixo da lama, morre também uma família em cima dela. Bairros inteiros desapareceram, e segundo suas estimativas, somente em Teresópolis, no mínimo mais de 6.000 vítimas estão sepultadas debaixo de metros de lama e entulho e um grande desastre sanitário está apenas começando?

Martius de Oliveira

*Alguma coisa dessa leitura me fez lembrar sobre HAARP, a harpa que os anjos não tocam (procurem ler um pouco mais sobre o assunto).