O voto branco não significa que o eleitor não escolheu nenhum candidato, significa que ele abre mão do seu envolvimento e ?TANTO FAZ? para ele quem seja eleito.E neste caso, o fato de votar branco continua sendo um ato conformista - pois nas duas opções, votar num candidato e votar branco, o eleitor abre mão do seu envolvimento, e a única diferença é que no voto em branco o eleitor nem se preocupa para quem ele entregou sua capacidade de participação ? o voto branco é acrescentado ao candidato mais votado no ultimo turno.
Exemplificando, se o candidato Zé Pilantra termina com 52% dos votos, e João Enrolão recebe 35%, e 10% são votos em branco e 3% são votos nulo, significa que 10% dos eleitores estão satisfeitos com qualquer um dos dois candidatos, já os 3% não concordam com o sistema eleitoral em geral, inclusive por serem obrigados a ir as urnas.Neste exemplo o candidato Zé Pilantra tem uma aceitação de 65% do eleitorado.( os 52% mais os 10% em branco que são acrescentados)
As campanhas eleitorais mostram como votar num candidato e como votar em branco, mas ninguém explica como anular um voto.A própria urna eletrônica é elaborada para esconder e diminuir a possibilidade de anular um voto.Por exemplo, quando você digita um numero inexistente na urna, ela acusa ?numero incorreto, corrija seu voto?.É tática criada para desencorajar o voto nulo e eleger determinado grupo de pessoas que diz representar o povo no poder.O resultado disso, já estamos cansados de saber, seja pela historia ou pela vivencia com esse tipo de sistema vergonhoso: uma minoria de pessoas se elege para obter privilégios em nome do povo, e assim a injustiça é perpetuada.
Se os candidatos não conseguirem pelo menos 50% dos votos no ultimo turno as eleições são canceladas!Sendo assim, o voto nulo seria uma sacudida nas estruturas do sistema ao qual vivemos;as pessoas iriam se perguntar e questionar o porque, de sempre através do tempo, serem obrigadas a abrir mão de sua capacidade de participação as custas de uma minoria privilegiada.Poderão perceber que elas possuem voz própria e que votar nulo seria um começo, uma descoberta, um triunfo de manifestar sua indignação por tanta injustiça.
Coletivo Massã-Ourinhos/SP