No Estado de Bem-Estar Social, o Estado é forte: presta muitos serviços públicos, atua combatendo a pobreza, e também subsidiando empresas (subsídios incluem construir hidrelétricas, telecomunicações, petroleiras para melhorar o sistema). Mas havia problemas: pessoas ficavam acomodadas pois se ela fosse desempregada, iria receber seguro-desemprego e viver às custas do estado, ter educação, saúde, etc. As empresas, quando tinham dificuldades recorriam ao Estado pedindo financiamento, proteção no mercado e não precisavam ser criativas.
"Para que vou me esforçar se o outro não se esforça e vive razoavelmente?" Para que trabalhar para comprar pão se o desempregado recebe gratuitamente, para que estudar a mais se tem escola pública, por que pensar em inovação tecnológica se os concorrentes nacionais não fazem. O que a classe pobre recebe desestimula a classe média, que desestimula os ricos.
Se aquele modelo continuasse, cada vez mais se gastaria dinheiro em burocracia (ex: programas sociais, estatais), a produção cairia (pouco investimento em tecnologia e outros lances arriscados das empresas para conquistar mercados). O Japão estava despontando, a Inglaterra precisava agir.

Então pensaram numa solução: focalizar os problemas sociais, para que só quem realmente precisasse receber ajuda, não iriam ajudar as empresas, ao contrário, abririam áreas livres do comércio para estimular a concorrência e criatividade, os trabalhadores também deveriam pensar o mesmo: se qualificar, viver na dinâmica da economia, ao invés de viverem do estado, iriam viver com as próprias pernas, tentando ser mais rico que o pobre, estudando numa escola melhor que o outro, tendo uma saúde melhor que o outro. Não gastemos dinheiro (impostos, etc) para deixar as coisas como estão. Liberdade de cada um ficar num canto e sair dele se quiser é ultrapassado, rompamos as fronteiras, pulemos entre penhascos onde os fracos caem, vamos sentir os ventos novos, olhemos para baixo para sentir uma sensação de medo e vontade de ir para frente, liberalismo é ultrapassado, viva ao neoliberalismo!

Mas o neoliberalismo é a solução da barbárie, e vamos ver o que ela causou: essa história de focalizar os problemas tem vezes que funciona como tirar um paciente gripado do hospital quando ele melhora um pouco: aí ele sai do hospital e fica doente de novo, sairia mais barato curar a doença dele de vez do que ficar nessa remediação. E se eu der comida para o que passa fome todo dia mas não para quem passa a cada 3 dias, vou enfrentar mais tarde problemas de saúde e até educacionais (pela falta de nutrientes em etapas de desenvolvimento).
O mercado de trabalho está tão concorrido que milhões ficam desempregados, viver na aventura mercado desanima ao invés de animar os desempregados.
A gente nem teve Estado de Bem-Estar e privatizam empresas estatais. A privatização não melhorou os serviços e nem o Estado ficou com dinheiro sobrando para investir no social (promessas do FHC de ter um estado eficiente), mas se sobrasse seria para construir mais presídios... remediar em vez de prevenir.
E essa história de concorrência? Pode ter gerado tecnologia, mas com exploração dos trabalhadores e consumidores (Aliás boicotam tecnologias boas para a sociedade como software livre, soluções agroecológicas, etc). Saúde, educação? Com exceção de alguns centros de excelência, escolas e planos de saúde privados são uma ameaça, que aliás ameaça até os centros de excelência fazendo concorrência.

Por que não o Socialismo?
Se o que os pobres recebiam desestimulava a classe média e o que estes recebiam desestimulava os ricos, ao invés de oferecer serviços piores, porque não oferecer serviço bom para todos ?(quanto à saúde e educação houve avanços em Cuba).
E se as empresas também ficavam desanimadas, e se houvesse um controle sobre as empresas? (porém aí entra um problema: os trabalhadores se acostumaram a serem mandados e obedecerem. Entendo que a solidariedade cubana apóia politicamente as estatais, mas num socialismo mais verdadeiro, as pessoas deveriam apoiar aperfeiçoando as empresas, e no capitalismo quem aperfeiçoa a empresa é o dono capitalista... o socialismo soviético deu errado em muito porque as relações entre pessoas não se transformaram, o burocrata assumiu o lugar do capitalista).
Os benefícios de se ter todos com mais ou menos a mesma renda precisa ser maior que a da desmotivação entre pobres-ricos a e desmotivação neoliberal de viver no perigo do mercado (acharam mais fácil aumentar o "cada um por si" que substituí-lo pela solidariedade). E os benefícios de se ter empresas estatais precisa ser maior que a da falta de criatividade tecnológica e criatividade neoliberal para a exploração.