Assunto: Nosso Presidente - Aposentado

Coluna Cláudio Humberto - Correio Brasiliense

Lula se aposentou aos 42. Documento do INSS obtido pela coluna mostra que o presidente Lula não pode reclamar da vida: a aposentadoria especial para anistiado político, concedida em 1996 e
requerida um ano antes, retroagiu a 5/10/1988, um dia antes de ele completar 43 anos. O companheiro presidente tinha 22 anos de serviço,
na ocasião. O benefício, que hoje totaliza R$ 3.862,57, está devidamente isento do pagamento de imposto de renda.

Senhoras e Senhores,

Essa notícia, trazida pela jornalista Guilhermina Ferreira Oliva, mostra o que se convencionou chamar "dois pesos, duas medidas" pois, ao contrário dos simples mortais brasileiros, Lula aposentou-se sem mesmo atingir 25 anos de trabalho, foi contemplado retroativamente com a aposentadoria, mercê da Lei da Anistia, e recebe
como se na ativa ainda estivesse. O que ocorre, efetivamente, é que Lula JAMAIS foi anistiado, porque NUNCA foi cassado, nem caçado (como
José Genoíno, antes de entregar os companheiros do Araguaia para as forças armadas, e "livrar a cara" definitivamente), somente esteve preso (em sala especial, não frequentou celas com grades) na Polícia
Federal.

Portanto, usou-se com Lula, como também com algumas centenas de outros felizardos e espertalhões, um estratagema, um artifício, para que todos aqueles que foram presos por motivos ou
ações políticas, por qualquer período de permanência no cárcere, mesmo sem condenação, ou simplesmente tivessem sido os seus nomes citados em processos judiciais, militares, etc., por motivos políticos, ainda que absolvidos, fossem considerados anistiados, o que é uma teratologia* jurídica e social.

*(Teratologia:estudo das deformações ou monstruosidades
orgânicas)Mirador-Dicionário Brasileiro

A totalidade dos cidadãos brasileiros, "ad æternum" pagará essa conta, EXCETO os anistiados, que estão, "per omnia sæcula sæculorum", ISENTOS de pagamento de imposto de renda, taxação de inativos, e essas coisinhas desconfortáveis atribuídas à plebe rude, assim considerados todos os que não fazem parte da "tchurma", ou alguns cortesãos que obtiveram algumas ilegítimas migalhas. Os aposentados em geral, pelo INSS, sabem bem o que é trabalhar 35, ou mais anos, pagar aposentadoria pelo máximo (tem gente que pagou até pelo teto de 20 salários mínimos), em salários mínimos, e receber, hoje, por valores de
referência, não ultrapassando R$ 1.600,00.

O funcionalismo público foi presenteado por uma reforma constitucional que derrubou drasticamente os seus proventos de
aposentadoria, paga imposto de renda, vão ser taxados os inativos, etc, etc, etc. Ou seja: bom mesmo foi ser preso, por qualquer motivo, ou até acusado, sem prisão (tudo isso muito melhor do que trabalhar feito doido por 35 anos ou mais...), que a lei da anistia excedeu o perdão amplo, geral e irrestrito, concedendo verdadeiros prêmios lotéricos aos contemplados, a considerar a diferença abissal entre as condições de
aposentadoria dos anistiados e do resto da população, a autêntica escumalha previdenciária brasileira.

País do carnaval, das festas, dos profusos feriados, das férias de 90 dias para parlamentares (mas não para os funcionários
do legislativo), juízes (mas não para os funcionários do judiciário), promotores (mas não para os funcionários do Ministério Público), fica
meridianamente claro que quem trabalha nunca alcança, três vezes salve a desesperança...

O Brasil, desde as capitanias hereditárias, que nunca foram abolidas no nosso território, é o país das castas, muito mais do que na Índia, Paquistão, e outros países orientais. Lula NUNCA entrará em filas do INSS, não terá que ser recadastrado aos 90 anos, não trabalha há mais de 30 anos (desde que Lula era presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, em 1972, Sua Excelência não sabe o que é um batente diário), aposentou-se com 22 anos de contribuição, 43 anos de idade incompletos, e tudo bem!

Como dizia o Barão de Itareré: ou todos nos locupletamos ou restaure-se a moralidade!

E depois não querem (não se deve mesmo, né?) que o brasileiro fraude a previdência, sonegue impostos, e coisas que tais, mas como impedir tudo isso, em um país onde as injustiças pululam a todo instante?

Não há como Ruy Barbosa parar de gritar aos meus ouvidos o que havia dito em 1917: "De tanto ver triunfar as NULIDADES, de tanto ver prosperar a DESONRA, de tanto ver crescer a INJUSTIÇA, de tanto ver agigantar-se o poder nas mãos DOS MAUS, o homem chega a RIR-SE da honra, DESANIMAR-SE da justiça, e TER VERGONHA de ser honesto ! " (Ruy Barbosa)