?Moda sim! Mas com consciência!?. Esse foi o tema do ato promovido por ativistas em defesa dos animais, na última sexta-feira (17/6), durante o Fashion Rio 2005, no MAM (Museu de Arte Moderna). Integrantes do grupo Vegan Staff e militantes independentes manifestaram sua revolta com o assassinato e tortura de animais incitado pela indústria da moda por meio da glamourização de roupas feitas com peles.

Durante o desfile da grife OEstúdio, dois ativistas da Vegan Staff invadiram a passarela com cartazes onde se lia: ?Couro=Pele=Morte? e ?Você levou minha pele mas esqueceu o resto?, com a foto de uma mulher segurando uma raposa sem pêlos. Funcionários da grife perseguiram os dois rapazes, um dos quais levou um soco na cara em meio à confusão. O grupo vegan (que não come animais ou produtos derivados destes) declarou que não houve intenção de atacar uma grife específica, mas o ?simples fato da pele de inocentes ainda ser apresentada como ?tendência? de moda?.

Enquanto isso, outro grupo levantava cartazes e uma faixa com os dizeres ?Quem usa pele nega a vida?, além de gritar palavras de protesto e distribuir panfletos na ?Área de Convivência?, onde estavam os telões. ?Você sabia que, para elaboração de um único casaco de pele médio de pele de chinchila, 180 desses pequenos animais precisam perder a vida??, denunciava o panfleto. Os manifestantes ainda derramaram tinta vermelha no local, simbolizando o sangue dos animais, o que indignou algumas pessoas. Em seguida, foram convidados por organizadores do evento a se retirar do MAM.

?Moda é aparência pura e essa aparência tem toneladas de custos sociais envolvidos por detrás. É tanto glamour, é tanto holofote, é tanta mulher bonita, é tanto investimento e tecnologia, que o que está por trás nunca aparece?, denunciou Luiz A., protetor de animais de rua que não faz parte de nenhuma organização. Para Luiz, o uso de peles animais para sustentar a luxúria humana é totalmente desnecessário, visto que, hoje, há peles sintéticas praticamente idênticas às peles animais. Ele considera que a luta dos protetores dos animais é muito importante diante do silêncio dos meios de comunicação. ?Onde eu tiver que ir, por causa dos animais, eu vou?, declarou.

Rebeca L, da Vegan Staff, descreveu os métodos de tortura aos quais são submetidos os animais: ?Para não estragar a pele, ele vão batendo com um pedaço de pau na cabeça do animal, muitas vezes dão choques no ânus ou na gengiva dos animais, fraturam os ossos e arrancam a pele com eles vivos?. Seu amigo Alex S., ativista da mesma organização, acrescentou: ?Mesmo que não fosse com crueldade [a matança de animais], nós seríamos contra. Por que as pessoas acham que têm o direito de matar os animais??. Por fim, Alex questionou o próprio conceito de moda imposto pelo capital: "O glamour da moda, para mim, é o cara ter inteligência para não ser cruel e criar roupa bonita".


Fotos do protesto:  http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2005/06/320875.shtml
Vídeo com cenas do protesto no desfile da grife OEstúdio:
 http://tv.terra.com.br/interna/0,,OI55130-EI5037,00.html
Carta convocatória:  http://www.midiaindependente.org/pt/blue//2005/06/320200.shtml
Carta resposta:  http://midiaindependente.org/pt/blue/2005/06/320847.shtml
Manifesto Vegan Staff:  http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2005/06/320107.shtml

Se você não vê mal algum em roupas feitas com peles de animais, clique no link abaixo e assista ao vídeo que o fará mudar de idéia:
 http://www.strasbourgcurieux.com/fourrure/
Obs: Caso o vídeo não inicie automaticamente, clique com o botão direito do mouse no quadrado preto do centro da tela e, em seguida, clique em ?play?.

Quantos animais são necessários para fazer cada peça de roupa (info e fotos):
 http://www.strasbourgcurieux.com/fourrure/fourrure%20de%20luxe.htm

Outras fontes sobre o tema:
 http://www.defensanimal.org/
 http://www.institutoninarosa.org.br/
 http://www.pea.org.br/index.htm
 http://www.animal.org.pt/