Existe um consenso naturaL entre os seres humanos sobre o que é ético e moral. Trata-se de um consenso nascido da consciência coletiva e que não foi imposto por alguma religião, governo ou qualquer grupo autoritário.
É consenso entre os seres humanos , por exemplo, que matar, roubar, estuprar agridem a consciência individual e coletiva.Já outros comportamentos tais como o aborto, a eutanásia não são consensuais, isto é ,enquanto para muitos tais práticas não agridem a consciência, para outros sim.
Numa sociedade libertária tais questões deverão ser amplamente discutidas por cada grupo social, e o resultado destas discussôes é que balizarão o comportamento das pessoas.Em determinadas comunidades, por exemplo,o uso público de determinadas drogas será livre, enquanto em outras o consenso não recomendará tal pratica.

Portanto, a liberdade absoluta não existe, pois, como disse, os seus limites estão na consciência individual e coletiva do próprio ser humano.É claro portanto que os anarquistas não defendem a liberdade que agrida a própria consciência humana, porque se assim fosse estaríamos a defender verdadeiras aberrações que alguns homens são capazes de cometer.
Trata-se portanto de uma ética e de uma moral intrínseca no ser humano
, e esta ética e esta moral serão os freios que limitarão a liberdade não as imposições autoritárias de algum sistema econômico,de algum Credo religioso ou do Estado..

Na sociedade burguesa, os limites à liberdade individual e coletiva são impostos pelos interesses dominantes ou pelo grau de $$$$$$$$$ que cada um possui: o dinheiro e o poder tornam as pessoas mais ou menos “livres”.