A operação Anos Dourados da Polícia Federal, que teve abrangência em todo país, prendeu na manhã de ontem 60 acusados de fraude na Previdência Social. Em Nova Friburgo, região serrana do Rio de Janeiro, 10 pessoas foram presas, dentre elas o Vereador e suplente de Deputado Federal Carlos Balbi e sua esposa Raquel Cristina Moura, o empresário João Batista Pedrotti, o vice-presidente regional do PRTB Wilton Mello, além do perito Evonildo Iório Gomes, o fiscal da Previdência José Carlos Barcellos e sua esposa Rita de Cássia Barcellos, servidora do INSS.

O esquema, que durou cinco anos e desviou dos cofres públicos aproximadamente 200 milhões de reais, tinha como objetivo simular vínculos trabalhistas com empresas, que também tinham parte na fraude, a fim de criar um suposto período de contribuição com a finalidade de obter o benefício previdenciário. O Ministério Público, em conjunto com a Polícia Federal e o Ministério da Previdência, bloqueou as contas e os bens de todos os 100 envolvidos nos Estados do Rio de Janeiro, Goiás, Paraná e Rio Grande do Sul.

A operação Anos Dourados ? o nome foi dado pelo fato de que a maioria dos falsos beneficiários teriam nascido nas décadas de 40 e 50 ? suspendeu em todo país cerca de 1.561 benefícios previdenciários que somam aproximadamente 4 milhões de reais por mês. A polícia Federal ainda cancelou 1.318 vínculos empregatícios falsos que serviriam para futuras fraudes da quadrilha.

O suposto chefe do esquema do INSS, o fiscal José Carlos Barcellos, foi preso em seu apartamento em Nova Friburgo com 2,5 mil dólares em dinheiro, cheques pré-datados e farta documentação previdenciária. O Vereador friburguense Carlos Balbi, que está no seu quinto mandato consecutivo, foi preso por volta das 6 da manhã de ontem em casa junto com sua mulher. O gabinete de Balbi na Câmara foi revistado e documentos foram apreendidos. Os acusados foram levados para a carceragem da Polícia Federal no Rio, após exame de corpo delito.