Atualmente, existem 2.500 índios nas sete aldeias Tupinikim e Guarani. Mais outras três aldeias estão sendo reconstruídas desde o final de julho, quando se reiniciou auto-demarcação das terras.

Desde a chegada da empresa ao ES, é que os Tupinikim e Guaranis lutam pela retomada de seu território. Estima-se que cerca de 40 aldeias foram destruídas com a instalação da fábrica. Após a realização de 4 estudos da Fundação Nacional do Índio (Funai), os quais identificaram as terras em questão como indígenas; e por meio de mobilizações e auto-demarcações do território, é que o Ministro da Justiça expediu as Portarias Demarcatórias, confirmando a posse da área aos índios.