Os Bombardeios de Hiroshima e Nagasaki foram ataques nucleares ocorridos no final da Segunda Guerra Mundial contra o Império do Japão realizados pela Força Aérea dos Estados Unidos da América na ordem do presidente americano Harry S. Truman nos dias 6 de agosto e 9 de agosto de 1945. Após seis meses de intenso bombardeio em 67 outras cidades japonesas, a bomba atômica "Little Boy" caiu sobre Hiroshima numa segunda-feira. Três dias depois, no dia 9, a "Fat Man" caiu sobre Nagasaki. Em toda a história da humanidade, estes são até agora os únicos ataques onde se utilizaram armas nucleares.

Não havia necessidade dos ataques. A guerra na Europa já estava praticamente vencida, e o Japão estava prestes a se render. Mas os Estados Unidos queriam exibir seu poderio militar ao mundo, queriam fazer o mundo tremer de medo diante de seu arsenal nuclear.

Os ataques foram de uma covardia sem tamanho. Morreram milhares de civis de ambos os sexos, de todas as idades, crianças, bebês, velhinhas, deficientes físicos, mulheres grávidas, a matança foi indiscriminada.

A população de Hiroshima vivia a sua vida normalmente em uma segunda-feira (tão normalmente quanto é possível em tempos de guerra), quando de repente, sem nenhum aviso prévio, sem nenhuma possibilidade de fuga, uma bomba americana caiu do céu e arrasou com tudo e com todos. Cerca de 40 mil pessoas morreram imediatamente.

Mas o número total de vítimas foi muito maior. Contando com as pessoas gravemente feridas que morreram nos dias seguintes, e as pessoas contaminadas por radiação atômica que morreram nos anos seguintes, o número de mortes chega a 240 mil.

Isso só em Hiroshima. Mas ainda tem Nagasaki, bombardeada 3 dias depois de Hiroshima. As vítimas de Nagasaki são avaliadas em cerca de 80 mil.

No total, 320 mil pessoas foram mortas pelos genocidas norte-americanos.

O ex-presidente Harry Truman nunca foi julgado nos Estados Unidos. Tampouco foi julgado por crime de guerra em nenhum tribunal internacional. Jamais recebeu qualquer punição.