Evasão e mentiras da NET indiciam censura

A equipe editorial do Diário Liberdade, após confirmação junto do seu serviço técnico, contatou com a NET. Telefonicamente e via email, insistiu-se na responsabilidade da firma na barragem ao digital anticapitalista, e pressionou-se para liberar o acesso.

Como era previsível, a fornecedora não admite qualquer problema, responde com evasivas e não admite o evidente: 'Confirmei junto à área especializada e não existe nenhuma dificuldade de acesso ao referido site.' ?asseguram da NET. Todas e todos os nossos leitores no Brasil podem verificar a falsidade dessa afirmação, e é impossível que a própria NET não detecte qualquer problema num site que está, por alguma razão, bloqueado.

Antes de chegar a essa mentira descarada, a NET tentou convencer-nos várias vezes de que o problema era 'com o nosso computador', insultando a nossa inteligência e ignorando o que lhes confirmávamos: que todas e todos os clientes desse fornecedor sofrem o problema.

As mentiras e evasivas, junto dos antecedentes, não deixam praticamente qualquer outra possibilidade: o Diário Liberdade sofre, mais uma vez, o boicote de uma grande companhia na internet. É claro que a NET nunca admitirá isso, mas as provas estão do nosso lado.

Chamamos leitores e leitoras a reclamarem à NET

A única possibilidade para que a firma reestabeleça o acesso ao Diário Liberdade é a solidariedade de leitoras/es e amigos/as do portal e a pressão. Chamamos a uma campanha de reclamação à NET, exigindo a imediata recuperação da normalidade. No anterior episódio de censura, a Telefônica demorou três meses a ceder. Temos que evitar que esses prazos aconteçam de novo.

As reclamações podem ser feitas pelas seguintes vias:

Telefone: entrando aqui pode verificar os telefones de atendimento em sua cidade.

Email: entrando aqui pode acessar o formulário de envio de email à NET. Propomos o envio deste texto:

'Prezadas e Prezados Sres. da NET: Desde o dia 21/09 o acesso ao site www.diarioliberdade.org é impossível através do serviço fornecido pela sua companhia. O serviço técnico do diarioliberdade.org confirmou que a responsabilidade corresponde à companhia fornecedora do serviço, nesse caso a NET. Pela importância do assunto, peço o final da evidente censura e o reestabelecimento mais rápido possível da normalidade. Grato/a.'

Acesso ao Diário Liberdade para clientes da NET: através de proxy

Enquanto não se resolve o problema, felizmente, as vítimas da censura da NET poderão continuar lendo o Diário Liberdade através de um proxy. Um proxy é um site que faz de 'ponte' para chegar a um conteúdo banido por alguma razão. Neste link, clientes da NET podem entrar ao Diário Liberdade: hidemyass.com. Só precisam entrar, escrever diarioliberdade.org na caixa, e vão poder ler através dessa 'ponte'.

Diário Liberdade: um convidado desconfortável

Os que falam com a boca cheia de Liberdade, não duvidam em aplicar a censura direta contra os 'convidados desconfortáveis' na 'sua' rede. Assim, tal como a Telefônica já atacou o nosso jornal, igual do que tentou silenciar o portal do Basque Peace Process, da esquerda abertzale, e o Centro de Mídia Independente do Brasil, agora, a NET censura de novo o Diário Liberdade.

Quais são as razões dessa 'razzia'? Provavelmente, a nossa desagradável teimosia em noticiar aquilo que o capital silencia, em dar voz às que lutam. Por citar algumas das matérias que poderão ter incomodado a NET e os seus amigos e amigas (as mais visitadas nos últimos tempos):

Pinheirinho: Naji Nahas, Alckmin, imprensa e polícia contra 7 mil moradores pobres Laerte Braga: 'FHC diz a americanos que domou Aécio e que Nordeste não vai vencer São Paulo? Luta do negro no Brasil: 175 anos da Revolta dos Malês Enchentes em São Paulo revelam falta de planejamento urbano Vulcabras-Azaléia mutilou mais de 80 trabalhadores em Itapetinga Existimos

Esses esforços do capital e seus aliados em nos fazer calar não fazem mais do que encorajar o nosso trabalho. A sua obsessão confirma o trabalho bem feito, a efetiva consecução de um objetivo. Agora, apelamos à solidariedade de nossos amigos e amigas para que a NET não possa parar essa missão.