A década dos passados anos 90 na Rússia foi um tempo de depressão econômica e decadência social. Na altura, a maioria do povo russo vivia na pobreza. Era preciso que a televisão distraísse as pessoas da dura realidade, era necessário ter, pelo menos, alguma ilusão de prosperidade, de boa vida.

As telenovelas brasileiras vinham preencher, precisamente, essa necessidade.

Nos anos 90, na Rússia quase não havia séries divertidas na TV ou no cinema, havia poucas telenovelas e os enredos delas eram, na sua maioria, histórias sobre bandidos e polícia. No entanto, a televisão precisava de satisfazer a necessidades do público e criar no écran uma realidade mais atraente.

O mercado russo abriu-se às novelas estrangeiras, principalmente, vindas do Brasil. Em1988, o principal canal de TV russo apresentou em estreia a novela brasileira A Escrava Isaura. Esta foi a primeira telenovela na televisão russa. O público russo não conhecia o gênero de novela com dezenas de episódios. 100 episódios pareciam muitíssimo para o espetador russo mas, a verdade é que A Escrava Isaura fez um sucesso tremendo na Rússia.

A história de uma bonita escrava mestiça em busca de sua liberdade conquistou os corações do público russo, especialmente das mulheres. As mulheres sofriam e regozijavam-se juntas com Juanita - a principal personagem da novela.

Há um caso que mostra bem a popularidade da Escrava Isaura. Diziam que, uma vez, o Parlamento da Federação Russa terminou a sessão mais cedo para ver o último capítulo da novela.

A novela permitiu ao público russo entender a época da escravidão no Brasil, a cultura brasileira do século XIX e até introduziu novas palavras na língua russa. Por exemplo, a palavra fazenda não existia no vocabulário russo e, com a divulgação da novela, passou a ser utilizada mesmo sem tradução. O que é engraçado, fazenda tornou-se muito popular para denominar pequenos terrenos com casas de campo, as datchas, as quais, claro, têm pouco a ver com as próprias fazendas brazileiras. A única coisa parecida é que as pessoas trabalhavam nelas quase como escravos.

Depois da Escrava Isaura seguiu uma série das novelas brasileiras que tiveram uma excelente aceitação na Rússia. São: Sinhá Moça, Meu Bem, meu Mal, Riacho Doce e muitas outras.

No ano 1995 foi exibida mais uma novela - Tropicaliente - que fez o maior sucesso. Pela primeira vez, o público russo soube o que era a boa vida. A telenovela mostrava panoramas do Rio de Janeiro, grandes apartamentos, carros ricos, gente chique. Os russos que não tinham acesso a isso, assistiam às novelas com grande interesse.

Em 1996 a novela A Próxima vítima esteve em exibição da TV russa e obteve também grande audiência. Um jornal de Moscou até fez um concurso: os espectadores tinham que adivinhar quem seria a próxima vítima. O prêmio era uma viagem ao Brasil.

Depois foi O Rei do Gado que deu a conhecer o brilhante ator Antônio Fagundes ao público russo. A seguir foram apresentadas duas histórias de cinderelas brasileiras: Anjo Mau e Por Amor. Como os espectadores gostaram muito de histórias deste tipo, a televisão continuou comprando ao Brasil mais e mais telenovelas: Suave Veneno, Torre de Babel, Andando nas Nuvens, Terra Nostra, Laços de Família, O Clone. O último começou a ser exibido em 2004 e obteve um êxito sem par. Muitas pessoas até tornaram o destino dos heróis num eterno tema de conversas.

As produções abrangiam o público de quase todas as idades: dos 6 aos 60 anos. As novelas brasileiras passavam duas vezes por dia: de manhã e à noite. A redação do canal recebia muitas cartas, nas quais os espectadores pediam para trocar o horário. Muitas mulheres ficavam preocupadas porque terminavam de trabalhar tarde demais e não conseguiam assistir aos novos episódios.

Os psicólogos dizem que as novelas prendiam milhões de telespetadores ao écran porque mostravam uma outra realidade mais favorável que a vida real nas condições de crise econômica e social dos anos 90. Uma vida bonita em uma casa enorme semelhante a um palácio perto da praia, um monte de frutas na mesa e um jardim verdejante - tudo isso parecia muito agradável ao público russo - tudo isso o distraia da vida real.