do SINTUSP(*)

Na madrugada do dia 31 de outubro, centenas de policiais militares com cavalaria, cachorros e viaturas da Rota invadiram a comunidade São Remo - vizinha à USP, que existe há mais de 40 anos e, onde moram mais de 13 mil pessoas - arrombando casas de trabalhadores muitos dos quais funcionários efetivos e terceirizados da USP.

Uma companheira, funcionária da USP, que teve sua porta arrombada, pelos coturnos dos soldados, pediu o mandado judicial e recebeu dois tapas, no rosto, de um policial que gritava: - está aqui!. Em várias outras casas, os policiais quebraram móveis, eletrodomésticos e, quando os moradores protestaram dizendo que eram trabalhadores, ouviram dos policiais que quem mora na favela e não paga IPTU é bandido.

Todas as entradas e saídas da São Remo foram fechadas, os trabalhadores que imploravam para que os deixassem sair, pois entravam no serviço às 7 horas, ouviram a mesma frase: - quem mora junto com bandido que mata polícia, é bandido também, e deve ser mandado embora do emprego mesmo.

A creche da comunidade, que funciona no Circo Escola, foi intimada pelos policiais a fechar e quando alguém argumentou que precisava comunicar aos pais das crianças, ouviu como resposta: - fecha já.

É bom lembrar que a comunidade São Remo está sendo ameaçada de despejo, pelo reitor da USP, já há algum tempo, o que já motivou manifestação de protesto em frente à reitoria, com muitas centenas de pessoas, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores da USP, Associação dos Moradores do Jardim São Remo, DCE da USP, com apoio da Adusp.

O 16º Batalhão da PM, construído em terreno da Universidade de São Paulo, fica ao lado da comunidade São Remo e da própria USP.
Lembramos ainda que a USP contratou, sem concurso público, 3 coronéis da PM para comandar a Guarda Universitária e está militarizando o campus.
A PM de São Paulo, que está agindo em toda a grande São Paulo de forma semelhante ao que fez na comunidade São Remo, está integrada ao crime organizado ou, recebendo dividendos do tráfico e roubo de todas espécies.
É só recordar de quantos policiais militares estão sendo presos em flagrantes nos roubos com explosão de caixas eletrônicos dos bancos, usando dinamites do exército.
Nessa guerra aberta e não declarada, tem polícia e milícias de ambos os lados, bandidos fardados e à paisana e, a maior parte das vítimas são trabalhadores, jovens e crianças, que nada têm a ver com o crime ou a repressão.