Politica usada pelos governantes é do radicalismo e tolerância zero, contudo não por interesses em solucionar o problema de MOBILIDADE URBANA, mas de olho no na arrecadação e comissão por fora, que vão locupletar os administradores e ratear o Caixa 2, fomentar o mensalão nos gabinetes.
*
Município alertado há muitos anos permanece corruptível liberando projetos comerciais sem áreas de carga e descarga, prédios modernos a exemplo do R1 (Av. Rio Branco No.1) são autorizados erguer-se sem previsão básica pra atender a demanda dos serviços de entrega de mercadorias a que se propõe, os bancos, milionários colocam suas agencias sem qualquer regulamentação nesse sentido de atender a segurança, tornando o usuário escudos da bandidagem, avolumando os problemas de transito, agencia bancaria jamais poderia tornar o cidadão vulnerável a balas perdidas, instalar agencias deveria ser obrigatório o local garagem que carros forte adentrassem pra fazer a movimentação de coleta e entrega de dinheiro/malotes.
*
Por fim, famigerado transito por excesso de veículos, que de complexo não é inviável, pra quem de fato quer resolver e solucionar o problema.
*
O básico sequer é respeitado, o próprio Estado corrompe e modifica os projetos com interesse em se locupletar e superfaturar em beneficio próprio de grupos e negociatas com as empreiteiras, projetos originais evitando os cruzamentos de veículos e pedestres sobre as vias do tipo Av. das Américas, foram corrompidos.
*
Tanto as placas de velocidade quanto aparelhos de multa eletrônicos são instalados aleatoriamente sem projetos e estudos de impacto e necessidade da velocidade ideal permitida e exigida no local, o objetivo principal é arrecadar e financiar grupos e parceiros políticos, nunca de proteger e cuidar da segurança, até os agentes de transito tem incentivos e premiações pra aquele que mais multar.
*
Já em áreas antigas onde deveriam manter os semáforos funcionando adequadamente dentro de um planejamento e sincronia visando à mobilidade e fluidez contínua dos veículos o que se vê é a dissociação e o abandono.
*
Locais de carga e descarga, é um capitulo a parte, são raros e quando existem são em espaços insuficientes quase sempre ocupados por carros de passeio com anuência do Guarda Municipal local, via de regra propineiro, por fim e o principal pra desafogar o transito é evitar ao máximo os ônibus as ruas e avenidas centrais, e isso é viável e nem tão complexo do ponto de vista operacional.
*
Mais fácil que tornar vilão os veículos de carga que saem com destino certo e não ficam zigzagueando pelas ruas tumultuando o transito a exemplo dos ônibus, táxis e vans.
*
A SOLUÇÃO EXISTE...

Que tal, usarmos o tatuzão que fura os túneis e passar por baixo das avenidas, criando estacionamentos subterrâneos com entrada e saída de veículos pelas ruas periféricas e também entradas e saídas por escadas tipo metrô, onde os carros entram nesse subterrâneo e caminham até próximo à rua que deseja chegar e de lá, o motorista sai por escadas laterais já de posse do ticket que ao retornar será cobrado autorizando a saída. Imagine a quantidade de veículos que poderiam ficar estacionado ao longo subterrâneo da Av. Rio Branco, da Av. Presidente Vargas, Nsa. Sra. Copacabana, etc.
*
Com relação ao transporte de massa, o transporte de superfície sobre trilhos é as opções viáveis aliadas aos metrôs, tanto subterrâneo quanto elevado sobre trilhos que poderiam percorrer, por exemplo, suspenso a Av. das Américas e Av. Brasil na parte central com estações de embarque e desembarque via passarelas, evitando o retrógrado modelo de ônibus e BRT, conturbando ainda mais o estressante transito nas grandes metrópoles.
*
São todos projetos que com certeza absoluta, inovadores e solucionadores dos problemas, mas que não interessa aos anseios da ganancia pelo dinheiro fácil e rápido do contribuinte nesse jogo de ilusões criando dificuldades pra obter imediatas facilidades...