Para restabelecer a ordem na potencia delinquente, unilateral e decadente, o Brasil resolve invadir os EUA por motivos humanitários. Contra todas as expectativas vencemos a guerra por WO, porque os gringos depõe suas armas por terem um medo danado da nossa ferocidade desmedida. Então, o Brazilzilzil começa a praticar o "tá tudo tudo dominado" na terra do Tio Sam. O filme trata das consequências desta vitória e da subsequente ocupação.


Diretores de cinema gringos tem que aprender a fazer filmes sem tiroteios, exceto quando é para sentar o dedo na galinha.

O fusquinha modelo 64 (uma vingança político-estética por causa do golpe gringo no Brasil) se torna o único carro fabricado pela Ford brasileiro-americana. A Yamarra cinquentinha ganha edição histórica da Harlley Davidson, que fica proibida de produzir motos grandes.

Las Vegas é dominada por bancas do bicho e Castor de Andrade ganha estátua lá. Gringos pobres vem aprender a sofisticada profissão de apontador do bicho aqui.

O Grammy Latino se torna mais importante que o Grammy gringo, porque povo submetido tem mais é que ficar em segundo plano e se foder mesmo.

Uma réplica do Cristo Redentor é colocada no Monte Rochemore, destruindo-se as carrancas dos inventores do império belicoso. Michel Moore faz um documentário sobre favelas anglo-brasileiras me NY.

Em pouco tempo a Brahma vira a marca de cerveja mais tomada na popular nos EUA. Mulatas fazem mais sucesso lá que branquelas sem bunda e peitudas.

A ocupação obriga a Petrobras a assumir todas as petrolíferas norte-americanas e doa uma montanha de dinheiro para financiar a cultura brasileira na nova colonia.

Numa eleição presidencial pouco disputada, sem direito a voto para quem não sabe falar português ou escrever corretamente na segunda pessoa do singular e do plural, Lula é eleito Presidente pelo Workers Party, sub-partido do PT da metrópole.

O português se torna obrigatório em terras gringas; os hispanoamericanos apoiam isto pois terão mais facilidades que os angloamericanos.

A Casa Branca vira sede de escola de Sampa e Hollywood passa a filmar novelas brasileiras em Miami.

E no final um casamento coletivo entre atrizes norte-americanas empobrecidas e donos de bocas-de-fumo cariocas que enriquecem distribuindo crack nas cidades gringas.