Na noite de 09 de novembro de 1989, os guardas de fronteira da Alemanha Oriental foram surpreendidos por uma multidão qeu avançava em direção ao muro de Berlim. Mas, ao contrário de outrora, em que a simples aproximação de qualquer pessoa próxima à fronteira era recebida à bala, desta vez nada puderam fazer. Poucas horas antes, em pronunciamento ao vivo na TV estatal, um membro do Politburo, Gunther Shabowsky, havia afirmado inadvertidamente que as fronteiras seriam abertas naquela noite. Espontaneamente, uma multidão marchou em direção ao muro. Os guardas, atônitos, nada puderam fazer e abriram passagem a quem quisesse atravessar. Subitamente, uma população aprisionada estava livre novamente. Após 28 anos, puderam reencontrar amigos e parentes na parte ocidental. Era um verdadeiro carnaval em pleno novembro. No dia seguinte, começou a demolição do maior símbolo da Guerra Fria. Hoje, restam apenas pequenos trechos mantidos como recordação. Sua derrubada simbolizou o fim de uma era e a derrota da utopia socialista.

"Era como se pudéssemos tocar na História. Estávamos ali derrubando não um simples muro, mas todo um sistema político-econômico e o totalitarismo".

Karl Strainz-Kuhler, testemunha