A partir do dia 10 de Novembro, com uma programação cultural especial que se estenderá ao longo de todo o "mês da consciência negra", será inaugurada a Biblioteca Temática do Viver Afro-Brasileiro, dentro do Sistema Municipal de Bibliotecas. O objetivo será, durante todas as atividades, provocar a reflexão sobre a importância da resistência cultural africana e sua relação com as raízes da identidade popular paulistana e brasileira, partindo da história do Quilombo do Jabaquara e de seus arredores para refletir sobre as Identidades Negras, Africanas e Afro-brasileiras como um todo.

Trata-se de uma programação cultural e formativa inicial desta nova Biblioteca Temática Municipal dedicada ao tema da Negritude. A ideia é dar início a um processo coletivo que tenha a comunidade e os diversos grupos culturais frequentadores da Biblioteca como os principais proponentes e protagonistas dessa nova utilização. O intuito é potencializar as diversas possibilidades formativas abertas por esta nova Biblioteca Temática, a partir de oito eixos que nortearão o princípio de um trabalho mais profundo e de longo prazo, iniciados agora durante o mês de Novembro:

Quilombo Literatura / Audiovisual
Quilombo Teatro / Artes Visuais
Quilombo Música / Dança
Quilombo Saúde e Espiritualidade / Gastronomia
Quilombo História / Trabalho Comunitário, a cultura no cotidiano

Endereço: Rua Arsênio Tavolieri n.º 45 ? Vila Oriental - Próximo ao Metrô Jabaquara.

Entrada Gratuita

Mais informações: Alessandra - (11) 9.8460-3200, Silvana - (11) 9.8562-8294, ou Danilo - (11) 9.8708-7962


PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Ìpadé Sirê dá-se início 10/11/2012 às 14h no antigo Centro Cultural Jabaquara que hoje é Acervo da Memória e do Viver Afro-brasileiro, que fica na Rua: Arsênio Tavolieri, 45 próximo ao Terminal Rodoviário Jabaquara.

Ìpadé Sirê - Encontro da Consciência é um projeto que objetiva provocar a reflexão sobre a importância da resistência cultural africana e sua relação com as raízes da identidade popular brasileira, cujo foco principal será a história do Quilombo do Jabaquara e de seus arredores.

O projeto irá promover encontros e desenvolver atividades no Centro Cultural Jabaquara, no mês de novembro, a partir de oito eixos temáticos que constituirão o princípio de um trabalho mais profundo e de longo prazo e que irão confluir numa semana de atividades, a ser realizada na semana da Consciência Negra, em novembro de 2012. Os eixos são:


Quilombo Literatura - 10/11/2012 ? Lid's Ramos
Quilombo Audiovisual - 10/11/2012 ? Daniel Fagundes
Quilombo Artes Visuais e Artesanato - 17/11/2012 - Silvana Martins
Quilombo Teatro - 17/11/2012 ? Juliana Romão
Quilombo Música - 18/11/2012 - Emerson Nagô
Quilombo Dança - 18/11/2012 ? Emerson Nagô
Quilombo Saúde e Espiritualidade - 19/11/2012 ? Júlio Cesar P. Freitas
Quilombo Gastronomia - 19/11/2012 ? Lid's Ramos
Quilombo História - 01/12/2012 - Danilo Dara
Quilombo Trabalho Comunitário, a cultura no cotidiano - 01/12/2012 - Alessandra Ferros

A partir de 10 de novembro

Terá início um conjunto de ações, todas elas representando os eixos base da semana que será denominada Identidade, um encontro de Quilombos.?


14:00 ? Abertura?
Carlos Augusto Calil, Maria Zenita Monteiro e Júlio César Pereira de Freitas.?

14:30 - Saudação
Camila Trindade canta saudação aos orixás ao som dos atabaques dos ogãs do Axé Ilé Obá .

15:00 - Mesa Debate Quilombo Literatura

Trazer à tona a discussão sobre a importância da literatura negra ou literatura afro-brasileira, revelando a produção de grupos sociais que, embora segregados, começaram a levantar a luta acerca da dificuldade do Brasil lidar com a sua própria imagem também no campo das letras. Acessar os universos africanos, tradicionais e modernos, não implica necessariamente uma busca às origens, mas uma reavaliação de pertenças. Pesquisar os lados de lá do Atlântico, possibilita arejar e fortalecer nossas experiências criativas em terras brasileiras. Por isso, a questão posta pela literatura espera ainda uma resposta. Além disso, a literatura feita por negros não se refere apenas aos negros, mas à cultura do povo pertencente à diáspora. Como à estimulação, pesquisa e reflexão a respeito da criação literária das brasileiras afrodescendentes. Que por vezes é, ambiente lacunar, feito de presenças e ausências. Lugar rizomático, elo e ponto de encontro que é componente de amplo encadeamento discursivo. Ao mesmo tempo dentro e fora da literatura brasileira. Que se faz presente em praticamente todos os momentos de nossas letras. O movimento desses grupos reunidos através da literatura está crescendo. O encontro de poetas que se reúnem em inúmeros cantos da cidade de São Paulo é prova inconteste desse fato. A partir desses aspectos, pretendemos promover um debate
com Cidinha da Silva, Luana Antunes, Luciete Silva e Miriam Alves

Mediação: Lids Ramos

17:00 - Mesa Debate Quilombo Audiovisual
Desde os anos 60 a representação das pessoas das camadas populares vem ganhando força no cinema, e hoje este espaço conquistado vem demonstrando a riqueza e a diversidade de interpretações e abordagens sobre as raízes culturais formadoras da indentidade brasileira. O audiovisual como novo instrumento de expressão da história oral afrobrasileira.
Com Akins Kinte, Renato Cândido e Jeferson De.

Mediação: Daniel Fagundes

19:00 - Exibição doa Filmes:

? Jeniffer, de Renato Candido- 37min.;
? Carolina, de Jeferson De - 15min.;
? Djanjuma: Nossa essência, do Núcleo de Comunicação Alternativa (NCA) - 35 min.
? Zeca o poeta da Casa Verd de Akins Kintê - 92 min

17 de novembro de 2012?

15:00 - Mesa Debate Quilombo Teatro
Quando o teatro deixou de ser sinônimo de marginalidade, os atores negros foram substituídos por atores brancos pintados de negro. Sem espaço nos palcos tradicionais e na sociedade, o negro teve que se organizar para poder aparecer tanto como ator de teatro quanto como ator social e político. Em nosso país, com negros que somam mais da metade de sua população, é raro assistir a um espetáculo cujo papel principal seja representado por um descendente africano, salvo no circuito alternativo, onde as produções geralmente brotam de mentes e mãos do povo, a presença do negro em cena, geralmente se restringe em papéis secundários, quando ocorrem. No entanto, o movimento do teatro negro em nosso país é fato que merece respeito, respeito conquistado por pessoas como Abdias do Nascimento, Solano Trindade, Plínio Marcos e tantos outros. Felizmente em nossos dias, apesar de todas as adversidades, a história do movimento negro no?teatro segue seus rumos e é sobre eles que refletiremos nessa mesa de debate com Ordem do Kaos, Peixe e Novos Fulanos.

Mediação: Juliana Romão

17:00 - Mesa Debate Quilombo Artes Visuais e Artesanato
O negro trazido à força para o Brasil trouxe sua cultura como bagagem. Dentro dessa imensa bagagem estava também a desenvolvida técnica da cerâmica, a escultura em madeira, a metalurgia, a pintura e muitas outras espécies de linguagens artísticas. Não obstante, basta visitar nossas igrejas barrocas, repletas de arte produzida por escravos, ou então, observar a imensa coleção de peças pertencentes à Coleção Mário de Andrade. Melhor ainda: basta apenas que caminhemos com atenção voltada às generosas demonstrações de plasticidade em diversos cantos de nossa cidade e país, onde se pode notar a confluência de elementos negros na produção das artes visuais brasileiras. Para debater esse?tema:
Alipio Freire, Lucia Makena, Guma e Gilmar Ribeiro Casulo e Jair Guilherme Filho.

Mediação: Silvana Martins

19:00 ? Show Velha Guarda do Samba Paulistano

com Sílvio Modesto e convidados.

18 de novembro de 2012

15:00 - Mesa Debate Quilombo Música?
É impossível dissociar a história dos ritmos que cadenciam nossas melodias da pulsação dos inúmeros povos vindos do continente africano. Carlos Sandroni, em seu livro ?Feitiço Decente?, explica a lógica musical africana na música brasileira, principalmente em ritmos e expressões de tradição oral como Capoeira, Maracatu e o Samba, nosso símbolo cultural mais reconhecido. Também merecem destaque as manifestações culturais negras da América do Norte, criadas pelos milhões de africanos que foram levados pelos navios negreiros aos Estados Unidos e que contribuíram para a criação de uma identidade afro descendente no hemisfério norte, como o blues, o jazz, o soul e o rap, que chegaram até nós e hoje se mesclam com os demais elementos negros de nossa cultura. Essas reflexões estarão presentes no debate sobre a música e dança africana, em suas várias vertentes, tais como o maculelê, tambor de crioula, samba, samba de roda, forró e o rap. Nesse debate contaremos
com Tinhorão, Yzalú, Negravat - King Nino Brow e Silvio Modesto.?

Mediação: Emerson Nagô

17:00 ? Mesa de debate Quilombo Dança
Na dança afro a unidade entre seus membros é fundamental, por isso é uma atividade grupal. Em sua maioria, homens, mulheres e crianças dela participam, batendo palmas e formando roda. O belo e rico trabalho coreográfico, com movimentos da anca, braços, pernas e cabeça, culminando num ritmo corporal cuja plástica e energia fazem parte da linguagem corporal brasileira. Essas reflexões estarão presentes no debate sobre a dança africana, em suas várias vertentes, tais como o maculelê, tambor de crioula, samba, samba de roda, forró e o rap. Nesse debate contaremos
com e Manoel Figueiras ? do grupo Cativeiro de Capoeira, Carol Euaci, Luciane Ramos, Juliana Queiroz, Tamires Ballarini.

Mediação: Emerson Nagô

19:00 ? Show de Rap com Milton Sales e convidados

19 de novembro de 2012

15:00 - Mesa Debate Quilombo Saúde e Espiritualidade

A exclusão social da população negra no Brasil, o descaso de suas necessidades específicas em programas de promoção à saúde, se traduzem na limitação ao direito humano de expectativa de vida. E também, por outro lado, a espiritualidade negra fincou profunda raiz em nosso chão cultural, influenciando nosso povo de tal maneira, que nossa fé passou a transcender fronteiras, sejam elas de classe, dogmas ou cores. Esses são os pontos iniciais do debate promovido
com as presenças de Renato e Renata do?Axé Ilé Obá, J.C. Demétriu e Débora Silva Maria do Movimento Mães de Maio.

Mediação: Julio Cesar Pereira de Freitas

17:00 - Mesa Debate Quilombo Gastronomia

Uma das mais importantes heranças culturais deixadas pelos africanos é a relação com os alimentos. A mistura da culinária negra com a europeia e indígena e o emprego da alimentação africana dos orixás, têm grande relevância na formação dos hábitos alimentares brasileiros. Desta forma, sugerimos além de um debate sobre tão vasto e rico tema, a presença de um espaço para a culinária afro-brasileira, destinado à degustação e conhecimento para que os participantes apreciem e compartilhem os pratos, vivendo, assim, suas tradições e se reconhecendo nelas. Constituindo nosso cardápio cultural.? Apresentação e degustação de um prato da culinária afro-brasileira. Para esse debate contaremos com a presença de: Doné Oyassy, Tata Quessejy do Quilombo Anastácia - Araras - Leandra da Silva do terreiro do Bogun - Renato e Renata do?Axé Ilé Obá.

Mediação: Lids Ramos

19:00 ? Apresentação esquetes cênicas

com atores dos?grupos de teatro A Ordem do Caos, Peixe e Novos Fulanos

24 de novembro de 2012

17:00 - Apresentação do grupo de Capoeira Cativeiro?

18:00 - Encontro de Saraus.
Elo em Brasa e Círculo Palmarino

19:00 ? Show de Bukassa Kabengele

01 de dezembro de 2012

14:00 - Mesa Debate Quilombo História

Quais são as raízes históricas que constituem nossas principais expressões artísticas? O negro africano entoou seu canto, se reuniu com seu povo e expressou sua existência com coragem, sem abrir mão de sua fé e cultura. As expressões escolhidas por nosso projeto desenharam a geografia abstrata das "Pequenas Áfricas", formadas por bases culturais que resistiram à intensa opressão, afirmando-se e se redefinindo em curto espaço de tempo, trazendo novos significados que extrapolaram fronteiras e que constituem a essência da cultura popular brasileira contemporânea. Com base nessas questões propomos uma mesa de debate acerca da historiografia dos quilombos paulistanos e do Quilombo do Jabaquara com Raquel Trindade, Milton Barbosa e Kabengele Munanga.

Mediação: Danilo César

15:30 - Sarau da Cooperifa

17:30 ? Mesa Debate Quilombo Trabalho Comunitário, a cultura no cotidiano?

O trabalho comunitário organizado vem crescendo e se solidificando muito em nosso país e em nossa cidade. Em decorrência das enormes dificuldades vividas pelas comunidades carentes e pelo desequilíbrio significativo de ações sociais governamentais, as comunidades se mobilizam e coletivamente procuram novos caminhos de luta e sobrevivência. Os quilombos são exemplos históricos desse tipo de mobilização. Debate sobre o trabalho comunitário, com Allan da Rosa, Felipe Choco, Renata Souza e Sérgio Vaz.

Mediação: Alessandra Ferros

19:00 - O Toque Ancestral dos Tambores

Nas matrizes africanas o tambor é o instrumento que confere vida aos rituais e que evocam os ancestrais e seus descendentes. Dessa forma, elegemos o dia de finados para iniciar nossas atividades, começando pela reverência aos ancestrais e à espiritualidade africana por meio do toque dos tambores.?
Apresentação de tambores com os grupos:?

- Ballet Afro Koteban 19h

- Umoja 20h