Desde que esses senhores, responsáveis pelos escândalos ocorridos no Governo Federal, assumiram o poder, o desvio de dinheiro público tem sido uma coisa normal para eles. É uma pena, que nos preocupamos apenas com o desvio de recursos públicos. Certamente, tanto ou mais grave do que isto, é a situação a que levaram a nossa educação, o saneamento básico, a saúde pública, a política externa, etc., etc., etc. Na verdade, não sei aonde eles acertaram! Traíram até as suas origens, senão vejamos.
As greves, que antes do PT alcançar o poder, eram consideradas movimentos legítimos dos trabalhadores, passaram a ser vistas como baderna. Um governo que se vangloria de pertencer a um partido, de ter nascido em um berço operário, de ter origem nos chãos de fábrica, de ser de esquerda, de ser o paladino da moralidade pública, deixa um movimento de trabalhadores em Jirau, chegar ao nível que chegou e ainda acusa os trabalhadores de vândalos e que os vergonhosos fatos ocorridos não passavam de algumas ?desavenças pessoais? entre eles. Ora! Simples desavenças pessoais não levam 80.000 homens a uma greve. Essa justificativa só pode ter origem na cabeça daqueles que não veem a situação de perto, não querem enxergar ou pretendem destorcer a realidade. Não fosse isso, se os acontecimentos não passassem de simples desavenças pessoais, será que o governo petista, hoje sob o comando da senhora Dilma Rousseff, a pedido do Governador de Rondônia, Confúcio Aires Moura (PMDB), teria se preocupado em autorizar o deslocamento de 600 policiais da Força Nacional de Segurança ? 500 dos quais, especificamente, para as obras da usina hidrelétrica de Jirau, cidade localizada a 100 km capital do Estado de Rondônia (Porto Velho) ? determinação prontamente atendida pelo Ministro da Justiça José Eduardo Cardoso (PT), a quem a FNSP é subordinada.
Porém, o que queriam esses trabalhadores? Esses trabalhadores reivindicavam, apenas, melhores condições de trabalho, além de reclamar dos maus tratos a que estavam sendo submetidos pela direção das obras e que, em alguns casos, chegavam ao nível do trabalho escravo, sendo eliminados aqueles companheiros mais politizados. Essas atitudes ditatoriais e truculentas se repetiram na área da educação na Bahia e contribuíram decisivamente na derrota nas últimas eleições do candidato do PT, Nelson Pelegrino ao governo de Salvador.
Um governo que dá respostas como essas a grevistas, assemelha-se aos governos do regime militar. Porém, vale ressaltar que esta comparação merece um esclarecimento: ao comparar os dois regimes, vale lembrar que o regime militar, devemos nos lembrar, agia financiado pelo que havia de mais reacionário, ou seja, agia a serviço de um capitalismo extremamente selvagem (nacional e estrangeiro).
Agora perguntamos: o que mudou, por exemplo, no campo com a chegada do PT ao poder? Nada! Absolutamente nada! Segundo a Pastoral da Terra os conflitos no campo motivados por questões trabalhistas cresceram em 2011, 15% em ralação a 2010. Ainda é muito comum em alguns Estados como Amazonas Pará, Maranhão, Mato Grosso, Tocantins, segundo a Pastoral da Terra, homens armados ?até a ponta do chifre? e encapuzados invadirem residências de camponeses, espancarem toda família, sequestrarem o pai e darem sumiço no mesmo. Os petistas no poder, no campo, hoje em dia, os trabalhadores rurais sentem-se como um ?Cabra marcado para morrer? ? narrativa semidocumental da vida de João Pedro Teixeira, líder camponês paraibano assassinado em 1962 e retratava as torturas e as mortes dos líderes camponeses. Quem quiser conhecer a semelhança entre o antigo regime e o novo deveria ver esse filme.
Os trabalhadores de hoje, assim como os camponeses da época, esperavam uma democracia mais participativa, uma melhor distribuição de terras, uma preocupação maior do governo com a qualificação e requalificação e não a importação da mão de obra especializada que já passa de 20%. No nosso entender, este comportamento distancia-se de um verdadeiro pacto social resultando na exclusão social, na traição do ?berço operário? do qual a maioria desses senhores do PT se originam.
No campo da política externa, mencionada de forma rápida anteriormente, não se pode esquecer o caso Haiti. Para aqueles que conhecem a historia do Brasil, particularmente dos comunistas, sabem a importância desses últimos à paz, sobretudo no que toca a agressão dos Estados Unidos à Coréia do Norte em 1950,
Os Estados Unidos e a ONU pressionaram o governo brasileiro para que enviasse tropas para aquela guerra suja de agressão contra a Coréia do Norte. À reação dos comunistas fora imediata, várias manifestações e passeatas com gritos de palavras de ordem foram realizadas. Elisa Branco, heroína internacional da paz, foi condenada a três anos de prisão por empunhar uma faixa: ?Os nossos filhos não irão à Coréia?. Hoje o colaboracionismo de vários comunistas, que estão dentro de um governo que se diz de esquerda, se cala, de maneira conivente ao envio dos nossos filhos para massacrar povo que elegeu um governo democraticamente no Haiti. Lula toma posse em 1º de janeiro de 2003 e 1º de junho de 2004 envia tropas ao Haiti objetivando, com esse gesto, obter uma um assento no Conselho de Segurança da ONU. Quanta vaidade! Pois é! Essa vaidade vem vitimando dezenas de resistentes haitianos, segundo denúncia feita pela ONG Norte?America Answer, publicada na Internet por um conhecido site cubano.
O que houve! Os ?companheiros? foram mordidos pela Mosca Azul! Naquela foto, onde Lula aparece abraçando o presidente Bush, chamando-o de meu companheiro, será que naquele abraço ele não dizia: Aqueles comunistas do Brasil estão na nossa folha! Não duvide! Jean-Bertrand Aristides chegou à presidência em 1990 com 67% dos votos, sete meses depois foi derrubado por oficiais militares e elementos ligados ao esquadrão da morte, sequestrado e levado ao país de Nelson Mandela (África do Sul), soube-se mais tarde que os golpistas estavam a soldo do serviço de inteligência americano (CIA). Só eles estavam a soldo da CIA? Engane-me que eu gosto!
Num artigo anterior, abordei sobre o financiamento do saneamento básico, saúde e educação dos Norte Americanos na qualidade de 4º credor, onde o Brasil comprou 300 bilhões de dólares de títulos públicos (podres) daquele país. Só para refrescar a memória, a China é o 1º, o Japão o 2º, a Inglaterra o 3º. O último relatório do IBGE de 2011 apontava as regiões: Nordeste com carência de 40% de Saneamento básico, o Norte chega aos 80% e o Sul, Sudeste vai de 10 a 15%, ainda segundo o IBGE, manchete da www.uol.com.br de 13/11/2012, 70% dos municípios brasileiros não tem política de saneamento básico, 48,7 não fiscalizam a qualidade da água. E os lupemproletariado, (vagabundos no seio da classe operaria), continuam se dizendo de esquerda. Perdoe o repeteco, para os gringos, temos dinheiro, para os brasileiros, uma banana. Tanto o PT do senhor Lula fundado em 10 de fevereiro de 1980, quanto o Solidariedade do senhor Lech Walesa fundado em 31 de agosto de 1980, são filhos do mesmo berço criminoso e ideológico. Berço esse surgido de um entendimento dos senhores Karol Woyjtila (o Papa de então) e George W Bush, Presidente dos Estados Unidos. Dois anticomunistas históricos! Voltaire resumiu muito bem quando disse: ?O povo só viverá uma vida feliz quando o último papa for enforcado nas tripas do último rei?.
É preocupante quando vemos Luciana Genro (filha de Tarso Genro, atual governador petista do Rio Grande do Sul) estrela do PSOL declarar ter saído do PT porque os princípios da luta de classes foram traídos. Na avaliação mais recente sobre os resultados das eleições de 2012, ela expressa que o DEM é inimigo de classe. Será que ela e seus companheiros (as) não sabiam que os mentores intelectuais desses partidos, criaram os mesmos não para defender a luta de classes e sim para combatê-la. A que classe pertence essa moça? O ceticismo me orienta: toda teoria de luta de classes fora do marxismo leninismo, que me perdoe essa moça, é mera traição.
Antonio Profeta
Secretário Geral do PPS da Bahia.
Com muito orgulho!