Ao proferir seus votos condenando José Dirceu e José Genuíno os Ministros do STF enfatizaram que eles deveriam saber o que estava ocorrendo, que em razão dos cargos que tinham devem ser considerados os chefes do esquema criminoso, que é impossível que não tivessem conhecimento da conspiração criminosa e dela fizessem parte, que não deixaram provas diretas da pratica dos crimes que lhes foram imputados porque deles queriam ficar impunes e que se beneficiaram da trama mesmo que não tenham tido pessoalmente acréscimo patrimonial.

Todos os Ministros citaram a teoria do domínio do fato para condenar os réus por suspeitas, suposições, ilações e até mesmo por falta de provas. O jurista alemão que criou a teoria usada pelo STF desautorizou seu emprego para condenar réus sem provas  http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2012/11/513894.shtml . Portanto, os operadores do Direito precisam descobrir qual foi a jurisprudência empregada pelo STF.

Transcrevo abaixo dois fragmentos da sentença que condenou Tomás Antônio Gonzaga ao degredo:

"Mostra-se quanto o réu Tomás Antônio Gonzaga, que por todos os mais Réus conteúdos nestas devassas era geralmente reputado por chefe da conjuração, como o mais capaz de dirigí-la, e de encarregar o estabelecimento da nova republica; e supondo que esta voz geral que corria entre os conjurados, nascesse principalmente das asseverações dos réus Carlos Corrêa de Toledo e do Alferes Tiradentes, e ambos negassem nos apensos no. 1 e no. 5 que o réu entrasse na conjuração, ou assistisse em algum dos conventículos, que se fizeram em casa dos réus Francisco de Paula, e Domingos de Abreu, acrescentando o Padre Corrêa, que dizia aos sócios da conjuração, que este réu entrava nela, para os animar, sabendo que entrava na ação um homem de luzes e talento capaz de os dirigir; e o réu Tiradentes que não negaria o que soubesse deste réu para o eximir da culpa, sendo seu inimigo por causa de una queixa, que dele fez o Governador Luís da Cunha e Menezes; e igual retratação fizesse o réu Inácio José de Alvarenga na acareação do apenso no. 7 a folha 14, pois tendo declarado no apenso no. 4 que este réu estivera em um dos coventículos que se fizeram em casa do réu Francisco de Paula, e que nele o encarregaram da feitura das Leis, para o governo da mova republica, na dita acareação não sustentou o que havia declarado, dizendo que bem podia enganar-se, e todos os demais réus sustentaram com firmeza, que nunca este réu assistira, nem entrara em algum dos ditos abomináveis conventículos; contudo não pode o réu considerar-se livre da culpa pelos fortes indícios que contra ele reputam..."

Um pouco adiante diz a sentença que condenou o pressuposto inconfidente:

"...que algumas vezes poderia falar e ter ouvido falar alguns dos réus hipoteticamente sobre o levante; sendo incrível que um homem letrado e de instrução e talento deixasse de advertir que o animo com que se proferem as palavras é oculto aos homens, que semelhante pratica não podia deixar de ser criminosa, especialmente na ocasião, em que o réu supunha que o povo desgostava com a derrama, e que ainda quando o réu falasse hipoteticamente, o que é inaveriguavel, esse seria um dos modos de aconselhar os conjurados , porque os embaraços, que o réu hipoteticamente ponderasse para o levante, podiam resultar luzes, para que ele se executasse por quem tivesse esse animo que o réu sabia não faltaria a muitos se se lançasse a derrama."

Durante o interrogatório do réu Tomás Antônio Gonzaga o Juiz Vasconcelos Coutinho fez constar do depoimento que "... qualquer que intenta fazer um delito oculto, disfarça o seu animo em publico" e que nestes casos "... produz expressões opostas ao seu verdadeiro intento". Diante da veemente negação de Gonzaga de ser participante da conspiração, referido Juiz exige "...que dissesse a verdade, não afetando maliciosamente esquecimento." Varias vezes o dito juiz afirma no interrogatório transcrito "... e ele, respondente, sendo um homem letrado de luzes e talento conhecido."

A semelhança entre as condenações de José Dirceu, José Genuíno e Tomás Antônio Gonzaga são evidentes. Portanto, ao recorrer da condenação dos petistas seus defensores podem e devem usar os mesmos argumentos utilizados pelo advogado do Gonzaga, que disse em seu arrazoado que:

"...não se presume também por Direito, que o homem que sempre viveu honrado com provas de fidelidade, sendo o próprio Executor das Leis, passe de repente a ser infiel, e cometer um delito tão horroroso, e infame, qual o de que se trata, sem que primeiro se exercitasse em outras torpezas.
Neque enin potest quisquis nostrum subito fingi nec cujsque repente vita mutari aut natura converti; nemo repente turpissimus."

Aos interessados no julgamento do Mensalão sugiro a leitura do livro GONZAGA E A INCONFIDÊNCIA MINEIRA, de Almir de Oliveira, publicado pela Edusp em 1985, de onde foram retirados os fragmentos acima transcritos.

Condenar sem provas para agradar ao Rei era tradição Colonial. Os condenáveis argumentos condenatórios usados contra José Dirceu e José Genuíno, citados no inicio, provam satisfatoriamente que retornamos ao tempo da Colônia, mas agora o Rei não é uma pessoa, mas a mídia que julga e condena antes para que o STF homologue a condenação depois.

Em se tratando de processo criminal prova deve existir e ser produzida pela acusação, caso a mesma não exista ou não seja feita o réu deve ser absolvido. Esta é a regra legal que apenas o Ministro Lewandowisky recordou e fez cumprir.