A imprensa segue contando os cadáveres da guerra da PM x PCC em São Paulo. Os especialistas tentam entender o fenômeno e apontar soluções, mas ninguém vai direto ao ponto. O problema, meus caros, é histórico e ideológico.

A PM opera segundo a lógica dos paraquedistas franceses na Argélia. Os policiais usam tortura para conseguir informações (precárias) e execuções para limpar os quistos de resistência criminosa (estimulando a violência dos seu inimigos e dos parentes das vítimas). A ideologia deste tipo de guerra urbana chegou a Brasil durante a Ditadura Militar e desde então não foi substituída. É incompatível com a CF/88 e mesmo assim segue sendo aplicada pelos Coronéis da PM com a conivência de parte da imprensa.

A história, entretanto, demonstra a imbecilidade desta ideologia repressiva. Os franceses perderam a Guerra da Argélia e de lá se retiraram ou foram escorraçados pelos inimigos que ajudaram a fortalecer.

Em algum momento os quistos criminosos podem virar rebeliões politizadas e generalizadas em São Paulo. Quando isto ocorrer para onde os Coronéis da PMs vão fugir? Para Argélia ou para a França?