Sérgio Cabral estuda decretar ponto facultativo no dia. Cabral mudou o discurso, depois da derrota no Congresso Nacional, pois antes ele queria todos os royalties para o Rio e Espírito Santo, mas no dia seguinte à derrota, Cabral cobrou de Dilma o veto para garantir os royalties apenas das áreas já licitadas. Ao invés da marcha, Cabral deveria negociar com os governadores e tentar um acordo. Imagine se o petróleo fosse descoberto no Piauí ou em outro estado da federação, seria justo que só esse estado recebesse os royalties? Claro que não! O petróleo foi descoberto através da Petrobrás com investimento de todos os brasileiros e de todos os estados e municípios. Por isso entendemos que o mais sensato é que todos os estados e municípios devam receber os royalties sem prejuízo dos produtores que devem receber um plus a mais. Ao invés do diálogo, Cabral prefere as ruas. Provavelmente Cabral para buscar o apoio popular já que sua barra não está nada limpa, depois das seguintes derrapadas: a ausência dos bondinhos de Santa Tereza, a derrubada do museu do índio, seu envolvimento na CPI do ?Cachoeira? e o fechamento da refinaria de Manguinhos com a demissão em massa dos trabalhadores. Se a intenção de Cabral é melhorar sua imagem, haja marcha! Não sei se a mídia faz isso de propósito, mas os royalties refletem apenas 10 a 15 % do montante envolvido, ninguém fala no restante! Será que as multinacionais não estão financiando a nossa cegueira coletiva? Isso está me parecendo boi de piranha, pois enquanto as piranhas comem um boi, a boiada passa, ou seja, 85 a 90% por cento de nosso precioso ouro negro se esvaem via leilão e exportação.

RIO DE JANEIRO, 19 de novembro de 2012