Em Ribeirão Preto/SP a justiça suspendeu a TRANSERP da atribuição de aplicar multas de trânsito na cidade. A empresa tem regime de economia mista (sócios privados) e não poderia exercer uma função típica de órgão público. Depois de longos períodos de superfaturamento com multas aplicadas às pamparronas, alguém acordou para este fato grave. Agora é preciso saber quem está por trás da farra das multas aplicadas pelos excessivos radares existentes nas estradas paulistas. Dizem que o serviço é terceirizado a particulares. Isso pode?