Luciene Neves, 24, integrante de um grupo de jovens católicos que atende vítimas da violência, foi morta na noite de anteontem a 73 metros de sua casa, no Jardim São Luís, zona sul da capital.

Por volta das 23h, durante o jogo Brasil e Argentina, uma moto com dois homens parou em frente ao bar do Buiú, onde 15 pessoas, incluindo Luciene, assistiam a um show sertanejo, tradicional às quartas-feiras.

Um dos homens pulou da moto, entrou no bar ainda de capacete e apontou a arma, disparando cerca de 30 vezes, afirmam testemunhas.

Três tiros acertaram Luciene. Ela morreu no local, diante de primos e amigos.

Esta foi a 17ª chacina do ano na Grande São Paulo, a quarta desde sábado.

Luciene Neves, 24, que foi morta em chacina na zona sul
"A gente vê na TV e acha que quem morre é sempre envolvido com o crime. Mas estão passando e atirando em qualquer um", afirma o dono de uma lanchonete do bairro, que não quis dar o nome.

Além de Luciene, morreram o tapeceiro Alexandre Figueiredo, 39, e o eletricista de automóveis Marcos Quaresma, 31. Uma mulher e dois homens ficaram feridos e foram levados para o hospital.

A mulher já teve alta e os homens estão estáveis.

15 MINUTOS

Luciene trabalhava como promotora de eventos em um selo de músicas católicas.

No grupo de jovens também ajudava usuários de drogas e ex-presidiários.

Ela estava no bar havia menos de 15 minutos, de acordo com familiares que não quiseram se identificar.

Dos cinco bares que ficam no mesmo quarteirão, aquele era o único aberto naquela noite --os outros têm fechado mais cedo, com medo da onda de violência.

A zona sul é uma das mais afetadas. Só no último dia 9 deste mês, nove pessoas foram baleadas na mesma noite no Jardim São Luís.

O bar do Buiú era visto pelos vizinhos como um local de "ambiente familiar". "O dono expulsava todo mundo por volta das 23h", conta uma vizinha que não quis ter o nome divulgado.

Luciene havia acabado de chegar do trabalho, deixou a bolsa em casa e foi até o bar enquanto a mãe terminava de preparar o jantar.

Era uma menina alegre, extrovertida e criada na Igreja Católica, segundo a família.

"É revoltante. A gente vive em uma guerra civil e o governo, acuado, não faz nada. É uma dor terrível", disse um primo de Luciene, que será enterrada nesta manhã. A polícia afirma que ainda não tem suspeitos.


Ontem, pouco antes desta nova chacina (que a imprensa atribui ao PCC, mas que tudo indica estar sendo levada a efeito por PMs), o Delegado Geral de Polícia de São Paulo afirmou que é contra os grupos de extermínio. Ele fez a afirmação durante a posse do novo Secretário de Segurança Pública de Alckimin  http://www.cartacapital.com.br/sociedade/delegado-geral-critica-acoes-da-pm-na-periferia/. Infelizmente os assassinos fardados parecem não temer o Delegado (ou tem a cobertura do comando da PM e do governador), pois eles continuam fazendo "caveira meu capitão" sem ser importunados ou pegos.