Já ocupei este espaço para apoiar JB (quando ele bateu boca com o Gilmar Mendes) e para criticá-lo (quando ele condenou José Dirceu por suspeitas e sem provas). Volto aqui para felicitar o novo Presidente do STF pelo seu primeiro ato administrativo.

Ao tomar conhecimento e divulgar a farra que os militares tem feito com o dinheiro público na Justiça Militar (que proporcionalmente custa muito mais do que a Justiça Civil), JB declarou que serão feitos estudos para a extinção da mesma. Na prática, a Justiça Militar está com os dias contados.

O fim desta excrescência jurídica já vem tarde. Tardou porque a mesma imprensa que sistematicamente combate há uma década o "bolsa família", programa que tirou e tira civis miseráveis da pobreza, nunca fez questão de ver ou combater o "bolsa milico".

A Justiça Militar tem sido o maior cabide de empregos fardados da União. É nela que os oficiais de elevada patente se auto-atribuem o "bolsa milico" para perseguir sistematicamente militares subalternos e inocentar seus iguais. A instituição não teve vida breve. Foi criada pelos milicos durante a Ditadura e sobreviveu ao fim da mesma como uma anomalia cancerosa dentro de um Estado formalmente democrático.

A imprensa aplaudiu envergonhada a iniciativa de JB à frente do STF. A extinção da Justiça Militar e do "bolsa milico" também conta também com o apoio da AASP e da OAB, mas vai criar mais uma daquelas contradições bem brasileiras.

Em breve nós veremos a mesma oposição tucano/demoníca, que se tornou tão intima do passado ditatorial a ponto de contratar os serviços dos ex-espiões do SNI (José Serra tem se servido deles há bastante tempo), começar a defender a sobrevivência da Justiça Militar. Então, a mídia corporativa aberta aos negócios tucanocriminosos (do Cachoeira, do José Serra e do Marconi Perillo) vai ficar em mais lençóis. Se apoiar a proposta de JB e do STF ficará distante do tucanocrime organizado que a sustenta politicamente. Se apoiar os tucanos/demonícos em favor da sobrevivência da Justiça Militar, se alinhará de maneira ainda mais evidente à Ditadura que perseguiu, torturou e assassinou jornalistas.

JB foi levado ao STF por Lula. E na sua primeira ação administrativa mostrou-se um excelente discípulo do mestre. Ao defender a extinção da Justiça Militar e do "bolsa milico" o atual Presidente do STF empurrou a oposição tucano/demoníca (e provavelmente sua correia de transmissão criminosa na mídia) ainda mais para a direita. Agora é só a esquerda capitalizar a contradição aberta por JB à frente do STF para deixar os tucanocriminosos ainda mais encurralados e de cu ralinhos.

O próximo passo de JB no STF, por razões óbvias, será dar provimento aos Embargos de Declaração opostos pela OAB na ação promovida contra a Lei de Anistia, para declarar a mesma sem valor no que se refere aos crimes cometidos pelos agentes do Estado. O Brasil tem que ajustar suas decisões à sentença proferida pela Comissão de Direitos Humanos da OEA, que já declarou aquela Lei sem valor jurídico. Então, começaremos a ver as chicotadas serem distribuídas sem dó à extrema-direita criminosa aliada dos tucanocriminosos deixando-os ainda mais solitários e confusos.

Ao condenar José Dirceu por suspeitas e sem provas, JB foi alçado ao patamar de herói nacional inconteste pela oposição tucano/demoníca e pela mídia (O menino pobre que salvou o Brasil ? palavras da Veja). Agora vai ser difícil destruir a imagem dele. A oposição e a mídia de capital aberto aos negócios tucanocrimosos apostou tudo num joguinho chinfrim de curto prazo (para destruir José Dirceu), mas se esqueceu que no longo prazo a partida é outra e envolve muito mais.

No jogo de longo prazo, quem tem muito mais a perder é a própria mídia e seu braço político-tucano-criminoso dentro do Estado. Assim seja.