Entre os manifestantes destacavam-se alunos, pais e professores da Escola Municipal Friedenreich, representantes dos povos indígenas e membros do Comitê Popular da Copa do Mundo e das Olimpíadas no Rio de Janeiro.

Eles criticaram a decisão do governador Sergio Cabral de tornar o histórico Maracanã uma propriedade privada, o que acarretaria a demolição da Escola Municipal Freidenreich, a "décima melhor do Brasil" e do antigo museu do índio, além de limitar o acesso do público aos estabelecimentos.

Felipe G. Santiago - Cinegrafista e Editor

Bruno Menezes - Repórter