Protestando principalmente contra as ameaças de remoção de comunidades em virtude de projetos relacionados à Copa de 2014, os manifestantes denunciaram ainda a falta de políticas habitacionais para os mais pobres e repressão contra as comunidades na forma de despejos e ocorrência de incêndios com suspeita de origem criminosa contra as favelas situadas em áreas de interesse da especulação imobiliária.

Para o Ato foram mobilizadas várias comunidades ameaçadas de remoção. De uma delas, a Comunidade da Paz, situada em Itaquera, e que está no trajeto do Parque Linear Rio Verde, junto com várias outras comunidades que abrigam quase três mil famílias, saiu um ônibus com representantes da Comissão Local de Moradores e Grupo de Apoio, coordenados pelo Sr. Pedro, Magna e Dona Tereza. Do grupo de apoiadores, participaram o arquiteto Nunes, do Peabiru TCA, as Assistentes Sociais Patrícia e Michelle e o ativista do "Comunidades Unidas da Zona Leste", Cristiano Andrade. No mesmo coletivo da Comunidade da Paz embarcaram os alunos das escolas envolvidas no Projeto "Jovens Transformando a Realidade", Andressa, Tatiane, Luiz Karlos e Bruno que, acompanhados pela Professora Leda, da EE Prof. Carmelinda Marques Pereira, fizeram o registro da Concentração e Caminhada, filmando e entrevistando os manifestantes. Participaram ainda o Serginho, da Assoc. Moradores do Jd. Helian e o José Adriano, do Movimento Nossa Itaquera.

A manifestação teve início com concentração em frente à Ocupação Mauá, onde foi apresentado trecho do espetáculo do Grupo Hangar de Elefantes, tratando do tema da Moradia.

Em seguida, na caminhada pela região da "cracolândia" e Luz, ocorreram intervenções teatrais dos Grupos Parlendas, Nóis de Teatro, Dolores, Revista e Kiwi. Houve a representação da repressão/resistência dos ambulantes e comunidades X grandes interesses ligados aos "investimentos da Copa", multinacionais, empreiteiros, especuladores...

No trajeto, em cima do caminhão, falaram diversos representantes dos Movimentos de Moradia e comunidades ameaçadas. Pela Central de Movimentos Populares, falou o companheiro Dito e pela Ocupação Mauá, o Nelson Che.

Ainda no trajeto, participaram as Baterias do M.A.L (Movimento Autônomo Libertário), da Batucada do Grupo Dolores e do Lona Preta (Bloco do MST) e vários outros coletivos de artistas de teatro e música.

A caminhada terminou, sob forte chuva, em frente ao Anhembi onde, na parte da manhã, tinha ocorrido o sorteio da Copa das Confederações, pela FIFA, A chuva, porém, não diminuiu a disposição dos manifestantes que em todo trajeto respondiam para quem deveria ser uma Copa não Excludente: para o Povo.

Mais fotos em: