Stallman: o Ubuntu contém spyware. Deixe de usá-lo e recomendá-lo!


O Ubuntu tem um spyware. Pare de utilizá-lo agora. Deixe de recomendá-lo para seus amigos e conhecidos. Não é legal divulgar uma distro traidora do movimento open source. A Canonical se rendeu...

Em outras palavras esse é o recado do famoso Richard Stallman, ávido defensor do software realmente livre. Num longo post no seu blog dentro da FSF ele meteu o pau no Ubuntu por causa do spyware que envia o que você digita nas buscas para a Canonical e Amazon.

As críticas são longas, mas se concentram no fato da possível espionagem. Mesmo que a opção de busca online possa ser desativada, ele reclama que a Canonical espera que a maioria dos usuários a deixe ativa, que é o padrão.

A coisa piora porque ele já tem inúmeras críticas ao modelo de negócios da Amazon. Ela é uma das empresas na lista negra dele, assim como várias outras gigantes da tecnologia. E a Canonical está entrando no barco.

"Se você recomenda ou redistribui GNU/Linux, por favor remova o Ubuntu das distros que você recoemnda ou redistribui. [...] Nas suas install fests, nos seus eventos Software Freedom Day, nos seus eventos FLISOL, não instale nem recomende o Ubuntu. Em vez disso, diga às pessoas que o Ubuntu é evitado por espionagem."

Ele é um cara polêmico e com certa influência no mundo do software livre. Muitos podem julgar que isto é um exagero. Para quem estava acostumado com a filosofia de um software livre que nunca se comunica com a nave mãe (exceto para verificar atualizações de pacotes), as mudanças recentes introduzidas pela Canonical até que podem chocar. Mas será que é necessário mesmo tanto barulho?

Acredito que precisamos buscar um meio-termo. Não uso Ubuntu, mas se este script é ativado por padrão e sem informar ao usuário, então a Canonical tem culpa no cartório.
É evidente que é preciso buscar parcerias e financiamento para continuar com os projetos de Software Livre. Mas dar os dados dos usuários de bandeja para grandes corporações, independente da intenção desta corporação, é uma grande bola fora.
Por outro lado, sem o apoio das grandes empresas financiadoras, dificilmente podemos continuar com os grandes projetos de Software Livre.
Stallman tem posicionamentos radicais sobre muita coisa, mas muito do que ele fala acaba fazendo sentido a longo prazo. Quem acompanha software livre a alguns anos sabe que muitas posições que ele tomou no passado, e tidas como retrógradas ou radicalistas, acabaram fazendo sentido poucos anos depois, geralmente envolvendo processos movidos por empresas por causa de patentes.

Se quiser, leia a mensagem completa original ou traduzida automaticamente, se não puder ler em inglês.