Tirando os ingênuos que acreditam em papai-noel e nas estórias da carochinha, era muito difícil acreditar que tamanho esquema de corrupção que acontecia na sala ao lado do gabinete presidencial não fosse de conhecimento de Lulla. A verdade é que ele era o mandante do esquema e José Dirceu seu executor, pois é inconcebível que Zé Dirceu agisse sem ordens de cima.

Das duas, uma: se Lulla não sabia do esquema, não poderia ser presidente, pois o chefe tem que saber o que seus subordinados faziam, ainda mais esquemas de corrupção. Se sabia, pior ainda, pois não fez nada para evitá-lo. O certo é que: ele sabia, ele mandou, ele acobertou.

Agora, a verdade começa a vir à tona, com as recentes revelações do operador do mensalão, o publicitário Marcos Valério. Ele começa a abrir o bico, para desespero da cúpula do PT, toda formada por porcos imundos.

Valério corre um sério risco com essas revelações: pode acabar como o Celso Daniel, executado por descobrir e ameaçar revelar um grande plano de corrupção petista (eles são ladrões há tempos).