Datafolha apurou que a credibilidade da imprensa caiu. Esta pesquisa é importante, mas não mostra toda a realidade.



A imprensa brasileira está sofrendo de uma grave doença cognitiva.


Por acreditar muito ou pouco no que divulga com finalidade de "convencer" (uso aqui "convencer" em oposição ao dever jornalístico de "informar"), a imprensa brasileira se esquece de que o "convencimento", ou a ideologia, não é algo que possa ser criado artificialmente.



Antes de produzir "ideologia" os homens produzem as condições materiais de sua própria vida. K. Marx disse isto com muito mais eloquencia e profundidade. Mas não foi compreendido pelos jornalistas brasileiros.



Diariamente produzindo suas condições de vida material, os brasileiros são perfeitamente capazes de comparar como viviam no passado com outro dado de uma realidade diferente: como vivem hoje. Isto é algo que os tucanos e os jornalistas não podem fazer, porque eles sempre viveram e continuam vivendo muito bem.



A era Lula não provocou uma revolução ideológica, mas modificou de maneira bastante drástica as condições de vida material de milhões de brasileiros. Este é um dado da realidade que afeta a percepção da mesma para o bem e para o mal.



Enquanto brigarem com este fato, querendo fazer os brasileiros acreditarem que viviam melhor na era FHC (o que é uma MENTIRA para a esmagadora maioria dos brasileiros) tucanos e seus jornais vão despejar lágrimas na chuva. A infelicidade deles não será notada.



O que os tucanos e seus jornais têm a oferecer aos brasileiros que possa ser materialmente melhor do que o que eles já tem em razão da era Lula? NADA. Portanto, continuarão sendo derrotados e destilando seu ódio amargurado em páginas e páginas de jornais que não serão lidas ou que farão a maioria dos brasileiros rir.