SEM PUDOR
O resultado do julgamento do Mensalão e as declarações de Marcos Valério incriminando Lula mexeram com os nervos de petistas e aliados . Nas últimas semanas, se prestaram a um verdadeiro show de declarações e manifestações despudoradas que expuseram, sobretudo, o desrespeito à ética e às instituições democráticas.

E elas não partiram apenas de militantes fanáticos, naturalmente limitados a se deixarem levar pela paixão irracional, mas também, e, sobretudo, de pessoas que, pela importância dos cargos que ocupam, deveriam se impor um mínimo de equilíbrio e racionalidade nas declarações. Entretanto, o bom senso passou longe dos presidentes da Câmara e do Senado, de alguns governadores de Estado, e da própria presidente Dilma Rousseff, que não se acanharam em assumir as dores de José Dirceu e de Lula.

No caso específico das graves acusações feitas ao ex-presidente, muito antes do principal interessado se manifestar em sua defesa, quem sabe abrindo um processo por calúnia e difamação contra Valério, seus vassalos partiram para o ataque. Não sobrou para ninguém que, na visão sectária dessa gente, representasse alguma forma de perigo à hegemonia do PT, e à liderança de Lula.

Ou seja, querendo desviar o foco da questão, a turma de Lula abriu artilharia contra a oposição, a imprensa, o STF, e o Ministério Público, acusando-os de estarem a serviço do golpismo. Trocando em miúdos: Lula e sua turma são acusados de corromper parlamentares, chantagear ministros do Supremo, receber propinas para favorecer negócios escusos, desviar recursos públicos ,tentar calar a mídia, atacar o Ministério Público, e, no final, a revista Veja é que é acusada de golpista.

A saída honrosa, qual seja o reconhecimento dos erros e dos crimes, e o início da reconstrução do partido, foi evitada pelo PT. Ao invés disso, os partidários de Lula e Dilma aplaudem cidadãos condenados pela Justiça e tentam politizar os fatos que , todos sabem , são estritamente da esfera criminal. Agressão à lógica é isso.
201212