Como o escravo era patrimônio de seu amo, este o alimentava e o abrigava acreditando estar preservando o que era seu.
O pobre "libertado" ficou entregue à própria sorte, tendo que se virar para arranjar emprego que lhe desse "direito" à alimentação, ao abrigo, e à vida.