Com o tema "O Brasil em debate: O Estado democrático de direito, a mídia e o Judiciário. Em pauta a ação penal 470", os jornalistas Paulo Moreira Leite (Revista Época), Raimundo Pereira (Retratos do Brasil), o professor em Direito Cláudio José Langroiva Pereira (PUC-SP) e o ator Zé de Abreu discutirão como se deu a participação da mídia e também do Judiciário no processo penal que culminou não apenas nas condenações dos réus, mas também na forte pressão e interferência política que os veículos de comunicação exerceram sobre o julgamento.

 http://www.youtube.com/watch?v=QxsTVc89yZk&feature=youtu.be

 http://www.youtube.com/watch?v=Pkru7ukZYac&feature=youtu.be

 http://www.youtube.com/watch?v=-2DJweieYns&feature=youtu.be

É realmente preciso um debate para reconhecer que a mídia televisada venceu a parada?

O Estado brasileiro praticamente deixou de existir como organismo político autônomo e soberano. O poder avassalador da mídia televisada garroteia os três poderes da República.

O Legislativo não aprova qualquer Projeto de Lei que não seja apreciado pelos representantes da mídia televisada no Parlamento. Nada é aprovado na Câmara ou no Senado sem ter sido previamente estudado, modificado e sancionado pelos "irmãos malcheirosos" que representam as famílias que comandam as principais redes de TV.

O Executivo tem o poder de conceder as bandas de transmissão de TV (que são monopólio do Estado), mas depois que as concedeu não pode sequer imaginar revogar ou disciplinar com rigor a atividade das redes de TV. Globo, Bandeirantes, Record, Rede TV, TV Cultura etc... fazem o que bem entendem. Na prática as redes de TV se tornaram donas exclusivas das bandas de transmissão públicas que operam em benefício próprio para ter lucro e, inclusive, para chantagear o governo plantando notícias falsas e fazendo campanha contra os representantes do povo que se recusam a obedecer os comandos supremos do poder inquestionável dos telejornais.

O Judiciário, que era o mais independente dos poderes, sucumbiu ao poder das redes de TV no exato momento em que transformou o julgamento do mensalão em espetáculo. Não há duvida de que a maioria dos Ministros do STF julgou o mensalão exatamente como queriam as redes de TV. E alguns Ministros até mudaram seus votos depois que foram criticados pelos telejornais onde os donos das redes de TV divulgaram as súmulas das sentenças contra os petistas.

Chega de intermediários. Os donos das redes de TV governam de fato, então que governem de direito.
Que eles assumam todos os principais cargos no Legislativo, Executivo e Judiciário. Assim pelos menos poderemos ver e combater estes tiranos derrubando-os de uma vez por todas junto com seus impérios de distorção da informação.