CARTA ABERTA DOS ASSENTADOS DO MILTON SANTOS - VAMOS À LUTA!

Nós, assentados no Milton Santos desde 2006, fomos informados em julho de 2012, que havia uma ordem de reintegração de posse para o Sítio Boa Vista onde moramos. Seria de responsabilidade do INCRA a retirada das famílias e, em caso de descumprimento da decisão, o órgão deveria pagar uma multa diária de R$ 5.000,00 reais. Desde então, realizamos uma série de reuniões de negociações com o INCRA em São Paulo e em Brasília, solicitando que o governo tomasse providências. O INCRA entrou com medidas para suspender o despejo que foram negadas pela justiça, sendo apenas estendido o prazo para que o INCRA retirasse as famílias - de 30 dias passou para 120 dias. Nesse ínterim, foram entregues cartas endereçadas a Presidente Dilma no Comício do PT em Campinas tanto pelos representantes e aliados do assentamento como também pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Também realizamos uma ocupação conjunta com outras forças políticas, a Fábrica Ocupada Flaskô e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, no escritório da Presidência da República em São Paulo. Fomos recebidos pelo Bigode, assessor direto da Presidência, que se dispôs a conhecer o assentamento. A visita foi realizada por ele em companhia de outro assessor o Feijó no dia 30 de outubro. Neste dia, eles assumiram o compromisso público de realizar a única medida que pode reverter o despejo: a desapropriação por interesse social. Infelizmente, o governo retrocedeu nos acordos já firmados e não assinou o decreto que é a única medida efetiva para a solução deste impasse. Com isso, a Usina Ester e a família Adalla, entraram com um pedido de reintegração de posse imediata. Este pedido foi concedido pela Justiça Federal no dia 28 de novembro, dando um prazo de apenas 15 dias para que as famílias saiam voluntariamente. Caso contrário, será solicitada força policial militar e federal para cumprir a determinação da justiça. Estamos cansados de promessas! Não acreditamos nos apelos dos mediadores do governo, que afirmam que a decisão política foi tomada, mas que a burocracia está atrapalhando a resolução do conflito. O INCRA tem alegado ser impossível a assinatura do decreto de desapropriação pelo fato de o registro do Sítio Boa Vista estar em nome do INSS. Isto é do conhecimento de todos nós. Entretanto, mesmo assim a justiça tem negado os recursos impetrados pelo INCRA e a decisão da reintegração foi mantida. Por esta razão, ocupamos o escritório da Presidência da República na Avenida Paulista e nos integramos a Jornada de Lutas do MST. Nesta quinta-feira participamos dos trancamentos de rodovias no Estado de São Paulo e paramos a Rodovia Anhanguera, nos sentidos capital e interior, por cerca de 40 minutos. Estamos sobre tensão permanente, trata-se de uma verdadeira tortura. Lutamos muito para construir nossas casas, plantações e a nossa comunidade. Não queremos sair daqui e estamos decididos a resistir até as últimas consequências para preservar o assentamento. Continuaremos em luta! Acreditamos que só a luta dos trabalhadores (assentados e aliados) poderá trazer a conquista. Exigimos a DESAPROPRIAÇÃO IMEDIATA DO ASSENTAMENTO MILTON SANTOS!!!! Ousar lutar... ousar vencer... (Carlos Lamarca)