A carnifina no trânsito foi geral neste natal. E ainda nem chegamos no ano novo. E isso, apesar de o governo editar a todo instante novas normas complementares do CBT sempre aumentando o custo para os usuários das estradas, mas a segurança permanece a mesma. Ora, convenhamos, algo está errado. Já está exaustivamente comprovado que o código de trânsito tem servido apenas para o Estado (união, estados e municipios) arrecadar montanhas de dinheiro com multas, que ninguém sabe o destino. Botar a culpa nas estradas também não convence mais porque as pessoas estão morrendo de norte a sul e leste a oeste do país. A cada dia milhares de novos motoristas são habilitados a dirigir, adolescentes com apenas dezoito anos que nada sabem da arma que tem nas mãos. Aí mora o perigo. Nossos carros são sabidamente vulneráveis a qualquer impacto e dispõem de alcance de velocidades inebriantes a qualquer jovem carregado de adrenalina. Ao invés de medir níveis de álcool do sangue do motorista melhor seria então medir o de adrenalina. Essa repressão toda aos motoristas tem se mostrado ineficaz na redução de acidentes. Por que não começamos a examinar as condições de segurança dos veículos fabricados? Por que dotar os veículos com potência para alcançar velocidades muito superiores a 120 Km se a legislação não permite o excesso? Enfim, a repressão tem que vir por aí porque educar os motoristas a serem todos bonzinhos e responsáveis, só na terra do NUNCA. A propósito, o Ministério das Cidades, que cuida do trânsito nacionalmente está nas mãos do PP (Partido Popular) há muito tempo e nada tem feito de útil para o pais, a não ser estimular esta cultura das multas, que só beneficia a canalhice de muitos governadores e prefeitos ávidos por recursos que chovem do céu. Muda isso Dilma, pelo bem do povo.