Todos os moradores do Estado do Rio do Janeiro estão ameaçados de perder o serviço de inspeção federal de bebidas e alimentos! O Complexo Laboratorial do Maracanã (Lanagro) (14.300 m2) pertence ao Min. da Agricultura (MAPA) desde 1938, e os equipamentos, de alto custo, importados e adquiridos com dinheiro público e a mão de obra especializada de médicos veterinários, engenheiros químicos, farmacêuticos, engenheiros agrônomos, microbiologistas, zootecnistas, ficariam sem destino, e sem poder fiscalizar através de análises laboratoriais, toda a produção industrial de alimentos, grãos, bebidas, carnes, laticínios e derivados.

Recentemente pesquisas desenvolvidas pelo laboratório federal de Pedro Leopoldo - MG, demonstraram que 80% do café no brasil está contaminado por aflatoxinas, uma substância altamente tóxica, cancerígena, produzida por um fungo, em função de falhas no processo de produção do grão de café.

Além disso, no Jornal do Brasil de 30/10/2012, foi divulgado o resultado de uma pesquisa realizada pela Unifesp de São Paulo que demonstrou a presença de substâncias tóxicas como cobre, metanol e carbamato de etila em bebidas alcoólicas clandestinas, como cachaça, uísque falsificado e licores artesanais. O metanol, se ingerido, pode causar cegueira e morte. As contaminações são tão altas que, em algumas amostras, era possível perceber, a olho nu, que a bebida estava falsificada e contaminada.

Estas ameaças de demolição e desmanche dos laboratórios acontecem no Maracanã, na cidade do Rio de Janeiro apenas para construir um estacionamento e um shopping, com lojas, restaurantes de luxo para atender os turistas e torcedores da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016. E o que é pior, o estádio e todo o entorno do Maracanã será privatizado durante 35 anos!

Caso todas essas ameaças se concretizem vai gerar no mínimo um ou dois anos ou talvez mais para que o Rio de Janeiro volte a fiscalizar através de análises laboratoriais, toda a produção industrial de alimentos, grãos, bebidas, carnes, laticínios e derivados. Com isso toda a população estará correndo risco de epidemias e endemias provocadas pela contaminação dos alimentos por bactérias e outras substâncias nocivas à saúde.

Trata-se, portanto, de um laboratório de referência nacional. Algumas análises somente podem ser realizadas no local, porque não existem nos outros estados brasileiros equipamentos similares, e o que é pior, adquiridos com verba pública.

Portanto o fechamento dos laboratórios Lanagro do Rio de Janeiro pode diminuir drasticamente a inspeção sanitária federal e prejudicar a ação dos fiscais federais agropecuários, além de sobrecarregar os demais laboratórios da Lanagro ainda existentes em outros Estados brasileiros.

Trata-se, portanto, de uma medida, que consideramos criminosa, e que está sendo promovida pelo novo Superintendente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA-RJ), Deputado Federal Bernardo Ramos Ariston (PMDB), recentemente nomeado.

No dia 9 de novembro de 2012, o Sr. Ícaro Moreno Junior da EMOP (Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro enviou um oficio ao Superintendente Federal Bernardo Ramos Ariston do Ministério da Agricultura solicitando a desocupação da área dos laboratórios do Lanagro em 7 dias. O Sr. Icaro alega que o imóvel foi vendido ao Governo do Estado (29/10/2012), e portanto exige a desocupação do prédio.

Se a população do Estado do Rio de Janeiro souber do que está acontecendo provavelmente vai tentar impedir, com certeza, que tal descalabro aconteça. Como a maior parte dos equipamentos são importados, avaliamos que apenas em termos de equipamentos de análise químicas e microbiológicas, deve perfazer o total de 10 milhões de dólares, todo o conjunto dos equipamentos.

Os 40 funcionários do Lanagro do Maracanã, técnicos de diferentes áreas, estão em pânico, sem saber para onde recorrer. Visitem o laboratório! O laboratório situa-se na Av. Maracanã, 252.