Não vejo porque a mídia não deva ser regulada.



Se alguém paga a assinatura de um jornal ou TV a cabo com um cheque roubado sua conduta criminosa pode ser e provavelmente será objeto de apreciação pelo Estado a pedido da empresa que foi lesada. Quando "roubam" informações mediante grampos (como ocorria nos jornais ingleses do Rupert Murdoch) ou "roubam" da sociedade a possibilidade de conhecer toda a verdade (como ocorre no Brasil, onde os jornais e telejornais deliberadamente manipulam, distorcem e omitem informações para beneficiar tucanos e prejudicar petistas) as empresas de comunicação lesam seus clientes. Por que elas também não deveriam responder por sua conduta criminosa?



É absurda a idéia de que as empresas de comunicação devem ser completamente livres porque numa democracia as pessoas também podem mentir, distorcer, manipular e omitir informações. As pessoas e as empresas de comunicação não são e nunca serão iguais. Jornais e telejornais tem condição de influenciar milhões de pessoas de uma só vez e cada pessoa consegue no máximo influenciar os amigos com quem se relaciona. Além disto, as pessoas não têm acesso às mesmas fontes que os jornais e telejornais, não conhecem as técnicas de processamento e filtragem de informações e raramente dominam as técnicas de construção de textos e de imagens utilizadas com maestria pelos profissionais que trabalham nas empresas de comunicação.



Regular a mídia é a única maneira recriar algum tipo de igualdade numa relação que produz desiguais. A função da mídia não deve ser ditar uma agenda pública (como ocorre atualmente no Brasil), mas fornecer aos cidadãos (que são os detentores da soberania) condições para fazer isto. O monopólio do poder político não pertence à mídia, nem deve ser por ela usurpado.



Igualdade perante a Lei só existe se houver Lei estabelecendo regras para todos. As relações entre as pessoas e as empresas de comunicação são reguladas. Se alguém pagar a empresa de comunicação com cheque roubado será responsabilizado. A relação entre a mídia e as pessoas também deve ser regulamentado. Se divulgar informações roubadas ou roubar dos cidadãos a possibilidade deles conhecerem toda a verdade os jornais e telejornais também devem ser responsabilizados.



Numa democracia ninguém deve ter poder absoluto. O que vale para os cidadãos, com muito mais razão deve valer também para as empresas de comunicação, pois o poder de sedução e convencimento delas é muitíssimo maior do que o de uma pessoa ou grupo de pessoas. Regular a mídia é a única maneira de preservar a democracia ou aprofundá-la. Os jornais e telejornais que defendem a verdadeira democratização do país aceitam sua regulamentação por Lei. As empresas de comunicação que não fizerem isto querem na verdade continuar endo o privilégio de abusar impunemente do respeitável público.


Que 2013 seja o ano da regulação da mídia no Brasil. Assim poderemos comemorar a transição de uma era de decadência e tucanização jornalística para um novo país a partir de 2014.