Na noite desse sábado (12) o Batalhão de Choque da Polícia Militar desmobilizou o cerco que fazia ao prédio desde o início da manhã, como ação preventiva para garantir a desocupação, que só poderia ser feita com o mandado judicial.

A saída dos policiais foi comemorada pelos índios e ativistas que acompanhavam desde cedo a movimentação no local. De acordo com um dos líderes do grupo indígena, Afonso Apurinã, os ocupantes do antigo museu estão cientes de que a remoção ocorrerá com a chegada da ordem judicial. ?Mas estamos dispostos a resistir até o último momento. Queremos defender a nossa cultura?, disse.

Em nota divulgada na noite de ontem (12), o Governo do Estado reafirma que a demolição do prédio integra o projeto de modernização do Complexo do Maracanã, "sendo parte importante na questão da mobilidade".

Representantes de dois órgãos do governo ? Secretaria Estadual de Assistência Social e Empresa de Obras Públicas (Emop) - estiveram no sábado no local para, segundo a nota, "atualizar os contatos com as pessoas que estão no prédio, de forma que, durante a semana, seja finalizado o cadastro social e haja remoção das pessoas, e logo que possível, a demolição do prédio".

De acordo com o Afonso Apurinã, os funcionários do estado que estiveram ontem na chamada "Aldeia Maracanã" colheram dados como a identidade dos 23 residentes, "mas em nenhum momento disseram que era para a remoção".

Responsável pelas obras de modernização do complexo com vistas à Copa do Mundo de 2014, a Emop já fez a licitação para a demolição do antigo museu, orçada em R$ 586 mil, mas o contrato com a empresa vencedora ainda não foi assinado.

Construído há 147 anos, o prédio abrigou a sede do Serviço de Proteção ao Índio, antecessor da atual Fundação Nacional do Índio (Funai). De 1953 a 1977, ali funcionou o museu, criado pelo antropólogo Darcy Ribeiro. Desde 1978, o Museu do Índio está instalado em um casarão na Rua das Palmeiras, em Botafogo, zona sul do Rio.