O nome janeiro vem do latim Ianuarius, em homenagem a Jano, deus da mitologia romana que possuía duas faces, uma olhando para trás, o passado, e outra olhando para frente, o futuro.

Tradicionalmente, no Brasil, o primeiro mês do ano está associado a poucos eventos históricos. Afinal de contas, em nosso país, o ano só começa depois do carnaval (o que vem a ocorrer geralmente em fevereiro, e, esporadicamente, em março).

Desse modo, janeiro é lembrado frequentemente pelas férias escolares, pelo recesso parlamentar, pelas altas temperaturas e pelas chuvas de verão.

Todavia, ao analisarmos a história da humanidade, podemos citar vários fatos que remetem ao primeiro mês do calendário gregoriano. Em janeiro de 630, o profeta Maomé partiria rumo à Meca (na atual Arábia Saudita) com seu exército para capturar a cidade (fato peremptório para a consolidação da religião islâmica). Em 1521, Martin Lutero, mentor da Reforma Protestante, foi excomungado pela papa Leão X. No mês de janeiro de 1839, começava a Guerra do Ópio entre Grã-Bretanha e China. Já no século passado, em 1933, Adolf Hitler foi nomeado Chanceler alemão. Por fim, há 22 anos, em janeiro de 1991, começava a Guerra do Golfo, primeiro grande conflito internacional do pós-Guerra Fria.

Também no mês de janeiro faleceram três importantes expoentes do comunismo mundial, Karl Liebknecht, Rosa Luxemburgo (em 1919) e Lênin (cinco anos mais tarde), e o líder pacifista Mahatma Gandhi (assassinado por um hindu, em 1948).

Janeiro, principalmente durante o período colonial, também está presente na história do Brasil.
Em 1502, durante uma viagem de reconhecimento das terras brasileiras, uma expedição portuguesa, sob o comando de Gaspar de Lemos, avistou a entrada da baía de Guanabara. No entanto, o local foi confundido com a foz de um imenso rio. Sendo assim, o equívoco, somado ao mês da descoberta, originou o nome da cidade do Rio de Janeiro. São Paulo, outra importante cidade brasileira, foi fundada em 25 de janeiro de 1554 por padres jesuítas.
Já no dia 9 de janeiro de 1822, D. Pedro declarou seu desejo de não retornar para Portugal e permanecer no Brasil, onde oito meses depois declararia a independência do país. Era o famoso Dia do Fico: se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico.

Comemora-se no mês de janeiro, o Dia da Confraternização Universal (1º), o Dia de Reis (6) e Dia da Bossa Nova (25), entre outras datas.

Para terminar este breve texto, uma curiosidade sobre o primeiro mês do ano. Até o ano de 353, os católicos celebravam o aniversário de Jesus no dia 6 de janeiro. Por sua vez, os cristãos ortodoxos (majoritários em países como Grécia e Rússia) ainda continuam a comemorar nessa data.