A pessoa "Destrutiva" necessita fundamentalmente de estímulos externos para se sentir viva. Ela é emocionalmente instável. Sem o mundo dos objetos e sem as outras pessoas, sua vida parece não ter sentido para ela. Ela é profundamente viciada em estímulos que preencham seus abismos psíquicos. Nunca consegue ficar sozinha, parada, e não suporta o silêncio. Em sua concepção perceptiva do mundo, sempre viciada em modismos aleatoriamente impostos e nos ruídos sociais, se esforça para ser aceita e sempre ter razão, promovendo e estimulando a rejeição dos que agem ou pensam diferente. A aparência ou imagem é o que importa. Seus relacionamentos são vãos e casuais. Sua liderança, quando exercida, é exclusivista, intransigente e limitadora. Age com desenvoltura social, metamorfoseando suas atitudes e pensamentos de acordo com as situações, as quais muitas vezes manipula, com dissimulada simpatia e hipocrisia, abusando da amizade e confiança alheia para se sentir constantemente no controle. Age sempre reativamente. Aquilo ou aquele que ela não pode controlar ou possuir, ela considera como uma ameaça e passa a boicotar, desvalorizar ou humilhar. Ideologicamente, esconde-se sempre atrás de um ícone ou dogma, para os quais transfere suas responsabilidades, atenções ou energias. Se seus desejos não são satisfeitos, se torna agressiva ou depressiva. Ela é materialisticamente ambiciosa, competitiva e patologicamente dependente de conceitos pré-estabelecidos. Nutre-se da aprovação alheia. Outras pessoas, principalmente as que tem poder inerente e criatividade são as vitimas principais de suas criticas cáusticas, de suas calúnias e de seu vampirismo psíquico. Ela sente prazer em apontar os defeitos ou fraquezas dessas pessoas, e sente ainda mais prazer com suas derrotas ou ruínas. É inimiga implacável da criatividade, independência e autonomia em qualquer sentido, e tenta sempre impedir ou sufocar essas qualidades nos outros. Nada é sagrado para ela, a não ser sua própria imagem, sucesso, posses materiais e as condições mentais que lhe proporcionem um efêmero sentimento de segurança.


A pessoa "Criativa" sente e experimenta sua vida interiormente. É auto-orientada e não precisa de estímulos externos para sentir o fluxo da vida, assim, sua relação com o mundo é baseada na busca da verdade, é uma relação profunda e substancial. Ela busca reter sempre o melhor lado das situações. Busca ter uma sublime consciência de si mesma, e busca sempre compreender as raízes das atitudes e motivações alheias. É autônoma e verdadeiramente independente. Rebela-se contra as imposições e injustiças. Não aceita o status quo sem questionamento. Ela não depende de bens materiais ou de aprovação alheia para se sentir realizada, pois para seu "EU" interior essas coisas são meras frivolidades. Seus relacionamentos não são baseados na dinâmica do poder. Age sempre proativamente. Reconhece as virtudes e qualidades das outras pessoas, e sente-se bem com suas conquistas e bem-estar. Sua liderança é aberta, capacitadora, firme e justa. Consegue amar incondicionalmente. Reconhece seus erros e defeitos, e sofre com eles, mas busca sempre mudar e se aperfeiçoar. Ajuda com bom coração a quem lhe fez ou desejou mal, pois sabe que o mal não esta ativado em sua escolha de vida. Ela esta sempre inteiramente presente e vive o agora, não teme o futuro e é permanentemente aberta às mudanças e ao conhecimento. Sabe ouvir aos outros. Sabe contemplar a beleza do silencio. Encara os problemas como desafios e tem plena ciência de suas capacidades e limitações. Não auto-nega seus defeitos, pelo contrário, identifica-os e esforça-se para mudar. Não manipula e não age dissimuladamente. Apresenta-se de peito aberto e sem intenções escusas. Assimila as derrotas e as converte em estímulos para recomeçar. Não inveja a ninguém e não tem ciúme. Incentiva e apóia a todos e fica feliz com o sucesso das outras pessoas. Ela reconhece as capacidades, virtudes e méritos alheios. Quando repreende, o faz firmemente, porém discreta e reservadamente, quando elogia, o faz exultante e publicamente. Busca sempre tomar as rédeas de seu próprio destino. Ela sabe que a consciência cria e altera sua realidade. Sua felicidade e seu sofrimento são sagrados pra ela. Não se auto-censura. Não se preocupa nem se abala com o que os outros fazem, dizem ou pensam, mas ouve a todos com interesse e prontifica-se na busca de soluções. Quando necessário, sacrifica vaidades ou qualidades pessoais para não sufocar ou ofuscar os outros. A base do mal para ela é a ausência de autonomia, poder criativo e autoconsciência desperta. Ela lidera, mas também sabe seguir quando necessário. Ela se nutre da fonte verdadeira de vida que existe e que flui dentro de seu ser. Ela é flexível e se reinventa constantemente. Esta em constante expansão.

Creio que o segredo para o crescimento interior seja o exercício que fazemos para identificar ambas as características em nós mesmos, substituindo gradativamente nosso lado destrutivo por atitudes altruístas e reforçando nossas virtudes construtivas, transformando-nos assim, em agentes replicadores naturais dos valores verdadeiramente essenciais para a vida humana.