Ele identifica automaticamente indivíduo/sexualidade/prazer, e coloca de lado a questão da reprodução humana, da maternidade, da paternidade e da infância no limite abre as portas para mercadologização da reprodução através de idéias como "aluguel de úteros". Imaginem empresas como a Monsanto alugando úteros de nordestinas, ou indonésias para produção de clones?

Imaginem o que fará o pentágono com a possibilidade de criar "SUPERSOLDADOS". Assistam The corporation"!A questão da exploração do trabalho infantil por exemplo é muito mais importante que a questão de gênero.

Sabemos como as grandes corporações usam as brejas de lei, sabemos do poder de seu lobby, sabemos inclusive que elas surgiram usando "brejas" na constituição americana. O discurso de gênero tal como ele está pautado omite a questão da criança, da maternidade e paternidade entregando essas questões nas mãos do capital...o poder do suborno corromperá esse conceito inocente de "genero" para converter esse conceito em armadilha para espécie humana, isso, se nós não ampliarmos a problemática e o conceito de gênero, incluindo, pais, mães e crianças...se isso não acontecer iremos saudar um novo Hitler com suas Joy Divisions*( não me refiro a banda), ante salas para fabrica de monstros e clones...

*obs: Joys division eram fazendas das SS, onde mulheres alugavam seus Uteros, traduzindo, trepavam com os SS, e permaneciam até a concepção na fazenda, ao nascer as crianças eram oferecida ao Reich! Na cabeça dos infelizes perteciam a uma super raça de super soldados...