O Brasil tá ( existem exceções ) todo eufórico com a condenação feita pelo STF em face de alguns políticos. Mas a história do mesmo STF é de dar vergonha a qualquer político apátrida. Segundo a AMB, em 19 anos o STF praticamente não julgou - nem condenou - nem colocou na cadeia um político ou empresário ( grande ) desonestos. Mas o por que dessas benesses?

No fringir dos ovos, isto quer dizer que os grandes empresários e políticos corruptos TEM A GARANTIA - A CERTEZA - por parte do STF de que não serão julgados, nem condenados.

Como os grandes empresários e políticos possuem os melhores advogados, daí uma das grandes razões para os enormes escandalos políticos no Brasil acabarem em pizza.

Maluf está respondendo a processos há 19 anos e nunca foi condenado e preso, no sentido literal da linguagem. O cara roubou mnais de R$. 1 bilhão de reais.

Ora, se a Corte Maior/STF tende a engavetar processos contra esses grandes políticos, capaz de impedir a perseguição penal por parte do estado ( prescrição), o que não devem pensar os Desembargadores dos Tribunais?.

Vejam, só como exemplo, o que fez uma Desembargadora do TJ-GO e nossa OAB/GO:

 http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI61998-15223,00.html

 http://www.google.com.br/#hl=pt-BR&tbo=d&sclient=psy-ab&q=pf+prende+diretoria+da+oab-goias+&oq=pf+prende+diretoria+da+oab-goias+&gs_l=serp.3...2855.11045.1.11716.62.32.0.1.1.11.1154.19207.4-3j23j3j2.31.0...0.0...1c.1.yvtPwGcxwzg&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.r_qf.&fp=c712e506b6dae007&biw=1024&bih=557

A razão dessa corja de ladrões ( A desembargadora Beatriz vendia sentença para MARCONI PERILO ) e a OAB-GOIAS vendia carteira por R$. 25 mil, é, sem dúvida, a certeza da impunidade pelo STF e morosidade no julgamento dos processos por parte do poder judiciário.

O STF ( pode até mudar com Joaquim Barbosa ) é a instituição que mais causa vergonha neste país e deveria, sem dúvida, ser dissolvida para que outra "coisa" pudesse ser instituída. Mas do jeito que está, não pode.

A propósito, veja outra importante matéria sobre a corrupção no judiciario brasileiro ( com autoria definida ):

 http://www1.folha.uol.com.br/poder/1146896-corrupcao-no-judiciario-so-ficou-mais-exposta-diz-eliana-calmon.shtml

ELIANA CALMOM, Ministra do STJ, diz expressamente que há corrupção no judiciário Brasileiro. PONTO FINAL.

A morte dessas 240 crianças em Santa Maria /RS só nos traz uma certeza : a dor dos pais /maes e a de que advogados/juizes passarão cerca de 15 anos para se chegar a uma conclusão quanto a culpabilidade - civil e criminal.

De quem é a culpa? do Judiciário Brasileiro, porque os abutres embrenham -se em qualquer atividade - mesmo perigosa - com o fito de ganhar dinheiro e, se não der certo, CONTARÁ COM A IMPUNIDADE.

Abaixo, matéria do PORTAL CORREIO, sobre as tretas feitas pelo STF para não condenar políticos .

A responsabilidade do PORTAL CORREIO fica adstrita a matéria abaixo; o restante é de minha responsabilidade.

júlio c. fortes
acre

.....................................................
 http://sites.portalcorreio.com.br/noticias/matler.asp?newsId=3648


Quinta, 5 de Julho de 2007 - 18h48

Há 19 anos, STF não condena agente político

Em ato público realizado na manhã desta quinta-feira (5), a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) divulgou os resultados de um estudo que mostram os números da impunidade do país.



O documento mostra, por exemplo, que entre 1988 e 2007, o Supremo Tribunal Federal (STF) não condenou nenhum agente político julgado pela prática de crimes contra a administração pública. Já no Superior Tribunal de Justiça (STJ), no mesmo período, apenas cinco autoridades foram condenadas.


O estudo apresentado pela AMB foi feito a partir de dados disponíveis nos sites dos dois órgãos. O objetivo do trabalho é mostrar aos magistrados e à sociedade as características e o andamento dessas ações no STF e no STJ, facilitando uma análise valorativa e crítica sobre o benefício do foro privilegiado e a capacidade estrutural das Cortes Superiores para conhecer, processar e julgar determinadas ações.


Além de revelar o baixo número de condenações, a pesquisa traz ainda outro dado alarmante: a demora no julgamento das ações penais originárias no STF e no STJ. Em 19 anos, dos 130 processos distribuídos no STF, apenas 6 foram julgados, e absolvidos ? 46 deles foram remetidos à instância inferior, 13 prescreveram e 52 continuam tramitando na Corte.


No STJ ? que recebeu 483 processos de 1989 até junho de 2007 ?, a situação não é muito diferente: há 11 absolvições, 5 condenações e 71 prescrições. Foram remetidas à instância inferior 126 ações, e ao STF, 10 processos. Ainda há 81 ações em tramitação.


No entanto, o estudo também revela que, a partir de 2002, houve um aumento no número de ações penais distribuídas no STF e no STJ. De acordo com o estudo, este aumento pode estar relacionado com a aprovação da Lei nº 10.628/02, que estabeleceu a competência especial por prerrogativa de função para o julgamento dos crimes decorrentes de atos administrativos dos agentes políticos, ainda que o processo fosse iniciado após o término do exercício da função pública.


Wellington Farias, com informações da AMPB