ELEIÇÃO NO SENADO: PT E O GRUPO DE DIRCEU APOIARAM O OLIGARCA CORRUPTO RENAN, PSOL SEGUIU COM A OPOSIÇÃO DEMO-TUCANA

A eleição para a mesa diretora do Senado da República não apresentou muitas surpresas, mas foi um episódio "rico" em revelações políticas. O senador alagoano do PMDB, Renan Calheiros, com uma rica trajetória na política burguesa nacional foi eleito para presidente do Senado com 56 votos contra os 18 votos de Pedro Taques (PDT-MT) representando uma frente da oposição Demo-Tucana em aliança com o PSOL e alguns dissidentes do próprio PMDB. Renan volta à presidência da casa após renunciar ao cargo em 2007 em função de um escândalo amoroso envolvendo, é claro, favores estatais. Nestes trinta anos que atuou na "vida pública" Calheiros passou pelo PCdoB (junto ao seu irmão Renildo atual prefeito de Olinda), para depois ancorar no PMDB até a eleição de Collor em 1989 quando se mudou para o PRN. Com a deposição de Collor, Renan volta ao PMDB para impulsionar a aproximação do partido com o governo FHC, do qual foi ministro da justiça. Finalmente, com a eleição de Lula, o senador alagoano "vira a casaca" para chefiar o bando mafioso peemedebista que vai integrar a base aliada da frente popular. Renan em conjunto com Temer, Sarney e o governador Sérgio Cabral faz parte do comando do PMDB que controla grande parte dos negócios do governo petista com as empreiteiras e grupos econômicos internacionais, trata-se de um legítimo escroque mais identificado com os interesses das oligarquias corruptas enfronhadas no Estado burguês. Até aí nenhuma grande novidade a não ser pela defesa entusiástica feita por José Dirceu da candidatura do "companheiro" Renan. Dirceu comandou o apoio da bancada petista no Senado a Renan, abrindo mão da própria candidatura do PT à presidência da casa. Mas a movimentação política de Dirceu não se limitou aos aspectos institucionais da manutenção da chamada base aliada, em seu Blog o dirigente da "Articulação" não poupou elogios pessoais a Renan, revelando o grau de decomposição ideológica em que se encontra.

Leia este artigo na íntegra no BLOG político da LBI:
 http://lbi-qi.blogspot.com.br/

Siga-nos no TWITTER:
 http://twitter.com/LBIQI