É diferente de um terremoto, um tsunami ou um furacão onde a força da natureza se apresenta de forma incontrolável! Nos fenômenos da natureza podemos até minimizar as consequências, mas impedir não! A sensação que eu tenho, vendo as autoridades agindo agora, como Ministério Público, bombeiro, polícia, governantes, é aquela de que depois de a porta arrombada trocamos a fechadura. Mas tem algo mais grave com toda essa movimentação de prender, fechar casa de show, boate, teatro. Tem um ditado que diz: ?eles criam dificuldades para vender facilidades?. Toda essa movimentação infelizmente é só para dar satisfação à sociedade, isso até a próxima tragédia, porque aí a gente esquece o que passou. Enquanto não se responsabilizar duramente o responsável pelo negócio, o governante, os chefes de polícia e de bombeiro tudo vai continuar como dantes no quartel de Abrantes.

E quando se fala em responsabilidade, ninguém quer processar ou prender indevidamente ninguém, o que a sociedade tem que cobrar nessa hora é se o dever de casa foi feito, porque se as autoridades cumpriram com seu dever só vai nos restar lamentar pelas vítimas, porque acidentes, infelizmente, acontecem. E sabe o que é o dever de casa, pasmem!, é o que as autoridades estão fazendo agora em todo o Brasil, depois do leite derramado.

Para nossa resignação: antes tarde do que nunca!



RIO DE JANEIRO, 01 de fevereiro de 2013