Foto: Sr. Antônio, diante de seu barraco demolido.

Os agentes entregaram um papel ao Sr. Antonio (foto), um dos moradores da Vila há mais de 20 anos. Inocentemente o Sr. Antonio, que NÃO SABE LER NEM ESCREVER, assinou o papel e depois disso os agentes começaram a destruir o seu barraco.

No papel dizia que o Sr. Antonio estava consentindo ir para um abrigo oferecido pela Prefeitura de Belo Horizonte. Acontece que o morador jamais disse que tinha interesse em ir para o abrigo, uma vez que esse trabalha nos Correios - muito perto da Vila da Paz e a quilômetros do abrigo oferecido pela PBH. Após a destruição de sua moradia, o Sr. Antonio, que é sozinho e doente, teve de ir morar de favor com os vizinhos e pagar o aluguel de um cômodo onde esta deixando seus pertences.

A decisão judicial da Justiça Federal de que estavam munidos os agentes da PBH era favorável a 08 famílias da Vila que ganharam o direito de sair da área de risco, mas de ir para OUTRA CASA que deveria ser providenciada pela Prefeitura e não ir para um ABRIGO.

Inclusive a Juíza Federal que prolatou a decisão em ação movida pelos moradores através da Defensoria Publica da União chegou a visitar um dos abrigos oferecidos pela Prefeitura e confirmou que o mesmo "NÃO TEM CONDICOES DE RECEBER MULHERES E CRIANCAS, OU SEJA, NÃO TEM CONDICOES DE ATENDER AS FAMILIAS DOS AUTORES ? O QUE DEMONSTRA MAIS UMA VEZ O DESCASO DO PODER PUBLICO COM OS MENOS FAVORECIDOS". (destacamos, fls. 08/09 da decisão judicial proferida nos autos do processo de nº. 56588-88.2012.4.01.3800).

Isto é, a Juíza Federal deixou expressamente excluída a possibilidade de levar as famílias para o abrigo e determinou, inclusive, que a Prefeitura tomasse imediatamente as providencias necessárias para melhorar o mesmo, o que ate o presente momento não foi feito.

O que deseja a Prefeitura é se aproveitar da humildade dessas pessoas e se eximir do cumprimento dessa decisão que determina que sejam oferecidas CASAS e NÃO ABRIGOS PRECARIOS para elas.

Com os R$ 500,00 (quinhentos reais) que é oferecido pelo bolsa moradia da Prefeitura não foi possível nenhuma das famílias encontrarem imóveis para alugar nesse valor e aquelas que encontraram não tiveram os documentos aprovados pela imobiliária, tampouco conseguiram fiador.

Nesse sentido, rechaçamos a postura da Prefeitura em tentar resolver o problema da forma mais fácil, assustando os moradores e destruindo o pouco que eles já tem. Exigimos o cumprimento da decisão prolatada nos autos do processo de nº 56588 -88.2012.4.01.3800, para que a Prefeitura providencie o pagamento do bolsa moradia condizente com a realidade do mercado imobiliário de Belo Horizonte OU providencie casas para essas famílias, tudo isso anterior a demolição dos barracos.