Não é difícil provar que a mídia brasileira é pautada pela norte-americana.

Além das notícias econômicas, políticas e militares dos EUA ganharem sempre destaque na imprensa escrita e televisiva no Brasil, os filmes e shows importados daquele país preenchem quase todas as páginas de cultura das revistas semanais brasileiras. Modas lançadas nos EUA rapidamente são introduzidas no Brasil e as vezes fazem mais sucesso aqui do que lá (dança dos famosos, BBB e etc). Vez por outra as manchetes policiais norte-americanas acabam se transformando em entretenimento no Brasil apesar de afetarem pouco ou muito pouco nossa realidade nacional.

As diferenças entre os dos países são grandes e continuam existido, é claro. Mas a nível do registro jornalístico, a cada ano que passa ficamos mais parecidos. Tão parecidos que isto provoco nos tucanos, seus publicitários e jornalistas a ilusão de que o aborto seria uma questão fundamental capaz de decidir uma eleição presidencial. Não foi, pois apesar da imprensa brasileira tratar nosso país como um apêndice dos EUA o Brasil continua sendo Brasil.

A auto-ilusão da mídia brasileira, que é fenômeno evidente, fica muito engraçada quando interpretamos as notícias dos EUA levando em conta a própria cultura norte-americana. Abaixo um caso exemplar.

Esta semana os jornas brasileiros deram bastante espaço à caçada do policial Christopher J. Dorner. Nobody:
 http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,eua-cacam-policial--que-atacou-colegas-,994895,0.htm
 http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2013-02-09/ex-policial-que-matou-por-vinganca-volta-a-ser-procurado-em-montanhas-nos-eua.html
 http://www.cruzeirodosul.inf.br/acessarmateria.jsf?id=453345

Christopher J. Dorner divulgou um manifesto e refugiou-se numa região montanhosa inóspita. Ele provavelmente está armado e, mesmo que não esteja, é considerado extremamente perigoso por causa de seu treinamento militar. A caçada deste fugitivo mobiliza dezenas, talvez centenas de policiais. Baixas são esperadas.

Este incidente lembra muito um filme que fez sucesso nos anos 1980: Rambo. Como o personagem do filme, Christopher J. Dorner é ex-militar, perseguido pela policia como criminoso e se refugia numa região inóspita. O manifesto de Christopher J. Dorner precede sua fuga, o do personagem de Silvester Stalone é enunciado no fim do filme. A semelhança entre ambos é evidente.

 http://m.youtube.com/#/watch?v=-K9cSlf-yqg&desktop_uri=%2Fwatch%3Fv%3D-K9cSlf-yqg&gl=BR

Diz Dorner:

?I am an American by choice, I am a son, I am a brother, I am a military service member, I am a man who has lost complete faith in the system, when the system betrayed, slandered, and libeled me. I lived a good life and though not a religious man I always stuck to my own personal code of ethics, ethos and always stuck to my shoreline and true North. I didn?t need the US Navy to instill Honor, Courage, and Commitment in me but I thank them for re-enforcing it. It?s in my DNA.?
 http://dogmaandgeopolitics.wordpress.com/2013/02/08/cop-on-cop-crime-in-la-american-blowback/

Como o personagem Rambo, Dorner admite que acreditava no sistema e que perdeu sua fé no mesmo quando foi traído. Seu desejo de vingança, considerado insano, é semelhante ao do personagem vivido por Silvester Stalone. No filme, as ações de Rambo também se tornam objeto de atenção da imprensa, exatamente com está ocorrendo no caso de Dorner,

Apesar das semelhanças evidentes, até o presente momento ninguem comparou o filme de Stalone com a saga de Dorner. Qual é a razão desta omissão?

Quando a vida fornece inspiração para a arte não há qualquer problema ideológico envolvido. A complicação existe quando ocorre o inverso, ou seja, quando a arte fornece o paradigma para a ação do homem no mundo dos fenômenos. Rambo, o herói, não poderia ou não deveria inspirar Dorner, o criminoso. O silêncio da midia sobre as semelhanças, penso, tem com finalidade salvar a imagem e a reputação do herói ou não cobrir de glória as ações do criminoso.

O silêncio, entretanto, não será capaz de anular o fato: entre Dorner e Rambo as semelhanças que existem e merecem ser reconhecidas e estudadas. Há algo de podre na cultura norte-americana e a saga de Dorner-Rambo demonstra isto.