Acesse a ligação para post completo:
 http://anarkio.net/index.php/jrn/239-a-info-17

A opressão e exploração não param.

Uma cultura de opressão e exploração não acaba de um dia para o outro e nem é destruída por qualquer grupo institucional com a lógica do sistema. Não ocorrerá uma mutação antagonica que fará a ficha cair e todxs deixarão o sistema, levando-o há um colapso.
Esperar isso, sustentando partidos e blocos reformistas é perda de tempo. Se ao menos se mantivessem assim, os transtornos desse reformismo seriam menores. Mas não o bastante retardar o movimento revolucionário, ainda procuram atacar, frear e reduzir as ações daquelxs que não querem esperar os reformismo. É lamentável!
Mostramos que o anarquismo é a fonte mais rápida e segura de romper com todas as estruturas de controle, poder, de opressão e exploração, cabendo a cada um a responsabilidade e compromisso de ação. Sem esse compromisso, não há a reorganização social em molde libertários.
As possibilidades reformistas dão tempo e fôlego para a opressão e exploração em todos o níveis. Com isso, não só a opressão e exploração se fortalecem, mas se multiplicam, se replicam através de suas instituições doutrinárias. A sociedade baseada nesses elementos não consente axs individuxs livres. Se queremos a liberdade e justiça, isso só através de organizações de rupturas em todas as escalas culturais, sociais, economicas, sexuais, educacionais etc. Até agora, o anarquismo se mostrou imune aos avanços dos totalitários, dos vanguardistas, dos opressores e exploradores.
Unidxs, paramos o sistema e o destruímos! Tá esperando o que?