O presidente do Senado, Renan Calheiros, do PMDB de Alagoas, anunciou nesta terça-feira (19) uma série de medidas para reduzir gastos e promover mais transparência na Casa.

As medidas foram aprovadas na tarde desta terça pela mesa diretora, a cúpula administrativa do Senado, e anunciadas em plenário.

Renan Calheiros disse que o Senado vai acabar com mais de 500 funções de chefia e assessoramento, e com serviço ambulatorial gratuito para os servidores, já que eles têm planos de saúde; vai ampliar as jornadas corridas de seis para sete; unificar três institutos internos de capacitação e treinamento de servidores, além de rever valores de serviços terceirizados e deixar de renovar alguns contratos. A economia prevista é de R$ 262 milhões em dois anos.

Também foi anunciada a criação de um conselho de transparência com participação da sociedade. O Senado vai ter que publicar ainda os custos com pensionistas, servidores inativos e ex-parlamentares.

Segundo Renan, o pacote para enxugar gastos é um aprofundamento do que já foi feito pelo ex-presidente José Sarney. O senador espera que as medidas de redução de despesas aproximem o Senado da população.

?Elas se inserem dentro de um planejamento estratégico, que será no todo conhecido em 30 dias, com metas de curto e médio prazo. Ressalto ainda que iremos aprofundar este trabalho, e ele é fundamental, insubstituível, para reaproximarmos o Senado federal da sociedade brasileira?, declarou Renan Calheiros