40 ANOS SEM PIXINGUINHA, O GENIAL NETO DE ESCRAVOS QUE CRIOU AS BASES DA MÚSICA BRASILEIRA!

Há 40 anos o Brasil se despedia de um dos maiores gênios da música popular e compositor das bases mais criativas da MPB, convertidas em requintadas partituras, comparado com toda justeza a J. S. Bach. Tudo começou no dia 23 de abril de 1898 quando o mundo agraciou a vinda do neto de escravos, Alfredo da Rocha Viana Filho, o Pixinguinha - uma derivação do dialeto africano "Pinzindin" (menino bom) dado por sua avó - considerado o "mestre dos mestres" musicais. No entanto, inicialmente fora muito incompreendido, pois na condição de pesquisador incansável de sonoridades até então desconhecidas, misturava ritmos e sons afros (frigideiras, tamborins, cuícas e gogôs usados marginalmente nos terreiros de umbanda e nos morros cariocas) com a música negra norte-americana, fundia ritmos de Ernesto Nazareth com Chiquinha Gonzaga numa mistura dialética que culminaria em "Choro" nos moldes modernos. Por esta razão, Pixinguinha estava anos luz à frente de seu tempo na elaboração mais rígida e não por isso menos improvisada de suas imemoriáveis interpretações. Aos poucos sua sonoridade ia encantando que a ouvisse e entendesse. Ganhou reconhecimento e admiração de ícones do quilate de Heitor Villa-Lobos, Louis Armstrong e mais tarde de Vinicius de Moraes, Tom Jobim... Tal foi sua importância para o cenário nacional da música popular que o dia 23 de abril passou a ser considerado o "Dia Nacional do Choro". Portanto, o resgate da obra do grande mestre da MPB é essencial para o combate à política de deculturação do país promovida por governos burgueses e a frente popular, ambos a serviço da recolonização cultural e da ofensiva ideológica imposta pelo imperialismo ianque sobre os povos de todo o planeta.

Leia este artigo na íntegra no BLOG político da LBI:
 http://lbi-qi.blogspot.com.br/

Siga-nos no TWITTER:
 http://twitter.com/LBIQI