Esse texto é muito bom para desnudar a farsa de pseudo-defensores da democracia que os cretinos da imprensa burguesa se arvoram ou seja não tem nenhuma moral para dar lição em Cuba e dar guarida aquela vagabunda "cubana" paga pela CIA.Por isso que democracia na AL é aniquilar completamente a mídia burra e seus bajuladores nas polícias e exércitos inúteis.



Ter, 05 de Fevereiro de 2013 14:55 Nacional


Datena e Grupo Bandeirantes condenados:

No dia 01/02 último, o juiz federal Paulo Cezar Neves Júnior, da 5.ª Vara Cível, condenou a TV Bandeirantes em virtude de ofensas proferidas em 2010 pelo demente fascistão José Luiz Datena em seu progarama ?Brasil Urgente?. Na ocasião, o pseudo-jornalista, juntamente com o repórter Márcio Campos, teria relacionado a execução de um crime à ?ausência de Deus?. Segundo a decisão judicial, a TV Bandeirantes terá que disponibilizar 50 minutos de sua programação para transmitir uma mensagem, elaborada pelo Ministério Público Federal, a respeito da liberdade de crença e consciência. A emissora também terá de indenizar o autor da denúncia, que se considerou ofendido.





Na ocasião, comentando a execução de um jovem, Datena, uma espécie de Gil Gomes piorado da atualidade, disse: ?Um sujeito que é ateu não tem limites, e é por isso que a gente vê esses crimes aí?, completando: ?o sujeito que não respeita os limites de Deus, é porque, não sei, não respeita limite nenhum?. É esse o nível da chamada ?grande imprensa?, que nada mais é do que uma peça chave no processo de despolitização e fascistização em curso na sociedade, atingindo níveis talvez inéditos em nossa história.

Exatamente por isso, seria ilusão achar que tal decisão judicial resolve o problema principal. Ora, deve-se indagar a que interesses serve gerar e manter programas como esse ?Brasil Urgente?, que se multiplicam em todas as emissoras, afinal de contas seres como Datena nada mais são que paus mandados bem remunerados dos grupos que os mantém. A mesma Justiça que condenou o grupo Bandeirantes, aliás, é a que mantém presos em condições desumanas milhares de brasileiros, a mesma que mantém a impunidade absoluta da violência policial, a mesma que avaliza os genocídios perpetrados pelo latifúndio contra camponeses e populações indígenas. Do que se trata, no fundo da questão, é que somente com o fascismo pode o Estado brasileiro pretender conter a revolta popular que se gesta nos bolsões de miséria de nosso país, como resposta às insuportáveis condições de vida a que está submetido nosso povo. Nesse sentido, embora a rigor se trate de uma única questão, a menor ofensa proferida pelo fascistão Datena foi contra os ateus, apenas uma gota no oceano se comparada à apologia diuturna que faz das torturas, assassinatos e todo tipo de violações de direitos cometidos pela polícia nas periferias do Brasil. A esse respeito, entretanto, nenhuma condenação se fez sentir.

Finalmente, a própria questão da veiculação de uma mensagem a respeito da liberdade de crença e consciência dá a falsa ilusão de que esta liberdade existe de fato, o que não corresponde à realidade. Ainda hoje em milhares de cidades brasileiras o ensino religioso -específicamente cristão -integra o currículo dos alunos dos ensinos fundamental e médio, prática que foi reforçada com a assinatura, em 2008, de um acordo entre o governo Lula e o Vaticano. Além disso, pelo espúrio acordo referido, cada igreja católica passou a ter status de embaixada, com imunidade diplomática. Cabe dizer, aliás, que no Brasil o divórcio só foi legalizado no ano de 1977, ainda assim contra forte lobby da Igreja. O que dizer, então, sobre a criminalização do aborto, conduzindo milhares de mulheres à invalidez ou mesmo morte por ter de fazer a operação de forma clandestina, na medida em que o Estado brasileiro viola seu inalienável direito sobre seus próprios corpos? Recentemente se chegou ao absurdo de aprovar com estardalhaço o aborto de bebês anencéfalos, como se se tratasse de uma questão que não fosse simplesmente do mais puro bom senso. Isso pra não falar da cruzada contra a camisinha, contra a pesquisa com células tronco, contra a religiosidade africana e indígena...

Esse terreno imundo não poderá ser limpo, naturalmente, por nenhuma decisão judicial, mas somente pela nova justiça e culturas construídas paulatinamente pelas massas populares em seu processo de emancipação. Na medida em que isso ocorra, figuras como Datena estarão relegadas para sempre aos museus, como triste lembrança de como era a vida sob a barbárie capitalista.