Texto muito bom do histórico, revolucionário e Inquebrantável MR8 que mesmo diante das perseguições mais infames sofridas durante a ditadura entreguista de 64 e muito depois disso continua lutando pelo progresso e libertação do nosso povo seguindo o exemplo dos grandes líderes Che Guevara, Stalin, Ho Chi Minh e outros que mais uma vez desnuda a farsa da vagabunda paga pela CIA.


A blogueira gusana Yoani Sánchez foi recebida no Brasil com manifestações de protesto contra sua presença ao chegar no aeroporto de Recife (PE), na madrugada de segunda-feira (18). Mais tarde, em Salvador, na Bahia, teve que sair do aeroporto pelo desembarque de autoridades oficiais por conta de outra manifestação.

Os manifestantes portavam cartazes chamando a blogueira de "mercenária" e entoavam frases como "Cuba, sim! Ianques, não!". Panfletos denunciando-a como instrumento dos Estados Unidos para desestabilizar Cuba foram distribuídos no aeroporto. Yoani Sánchez foi denunciada como "liderança fabricada", "financiada pela CIA" e de "receber salários da SIP [Sociedade Interamericana de Imprensa, entidade que reúne os monopólios de mídia da região e é contrária à democratização da comunicação]".

"Ela é uma pessoa que recebe dinheiro estrangeiro para difamar o regime cubano", disse um dos manifestantes. Os protestos contra a presença de Sánchez continuaram em Feira de Santana, a 100 km da capital baiana, onde a exibição do documentário "Conexão Cuba-Honduras", do desconhecido cineasta Dado Galvão, que tem a blogueira pró-EUA como uma das protagonistas, não chegou a ser exibido na mesma noite como estava previsto.

Quando a blogueira chegou à Casa do Saber, um planetário cedido pela prefeitura, foi recebida sob vaias e chegou a ser recolhida na sala de diretoria. O senador Eduardo Suplicy, que acompanhava Sánchez, tentou em vão acalmar os ânimos. Quase uma hora depois, a exibição do documentário foi transformada em debate, com participação dos manifestantes.

Além de Suplicy, blogueira anticubana recebeu apoios entusiasmados do PSDB, DEM, do deputado Jair Bolsonaro Bolsonaro (PP-RJ) e outros próceres de direita, como os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Álvaro Dias (PSDB-PR) e pelo deputado federal Nelson Marchezan Jr (PSDB-RS). Bolsonaro declarou apoio incondicional a ela, dizendo que não quer que "o Brasil vire Cuba", lembrando declarações típicas da época da ditadura, de triste memória. A revista Veja também lhe concedeu um generoso espaço.

Yoani apoia o criminoso bloqueio contra o seu país imposto há décadas pelo governo dos Estados Unidos, que tem causado profundos danos econômicos e sociais à população cubana. Quando lhe pediram que assinasse uma petição condenando o bloqueio norte-americano, ela se recusou. Nunca falou uma frase sequer contra isso.

Ela iniciou pelo Brasil uma viagem de 80 dias pelo mundo em que pretende visitar mais de 10 países. Sobre sua turnê mundial, o professor e ensaísta francês Salim Lamrani, especialista nas relações entre Cuba e Estados Unidos, observou que Yoani Sánchez se tornou uma personalidade da oposição cubana de forma inusitada.

"Após viver dois anos na Suíça, decidiu voltar a Cuba e integrar o universo da dissidência. Em 2007, criou o blog Generación Y ? traduzido para, pelo menos, 18 idiomas! ?, no qual fustiga de modo virulento o sistema e o governo cubanos", comentou em artigo publicado no portal Opera Mundi.