McCONFRONTA VI: Sem fronteiras entre a arte e a vida.

A aproximadamente uma semana do último carnaval, a 6º edição do McCONFRONTA resgata este tema, buscando jogar luz sobre suas origens de festividade popular de resistência. O nome, derivado do latim carnis (carne) e valles (prazeres), demonstra o caráter de uma festa de excessos (indo até os limites da Quarta-feira de Cinzas, início dos 40 dias de privações dos católicos). Historicamente uma expressão de oposição popular, de inversões, de desvios de conduta permitidos e de normas que se opunham às festas oficiais, hoje, no entanto, vemos o Estado e o Capital cooptando as festas carnavalescas. Adeptos das (contra)culturas populares e sempre contra a privatização de festas públicas, o C2OFF convida você a vir pular carnaval ao som de beats do hiphop e muita rima improvisada. Renascidxs das cinzas como uma fênix, ainda carregamos o ritmo dos tambores e batuques em nossos corpos.

Mikhail Bakhtin certa vez descreveu o Carnaval como um fenômeno que pertence à ?fronteira entre a arte e a vida?. Nossa opinião é: eliminemos as fronteiras.